‘Praia dos Crânios Quebrados’ recebe a sétima etapa do Mundial de Surfe

Yahoo Esportes
Ilha paradisíaca é palco da sétima etapa do ano para os homens (WSL)
Ilha paradisíaca é palco da sétima etapa do ano para os homens (WSL)


Por Emanoel Araújo

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Imagine um filme com cenários paradisíacos em uma ilha no meio do nada. Uma beleza natural deslumbrante, fartura e diversidade de comida e... ondas de quase quatro metros de altura!

Leia mais de Surfe no Yahoo Esportes

As praias taitianas que receberão os melhores surfistas do mundo entre os dias 21 de agosto e 01 de setembro são bonitas e perigosas na mesma medida, mas trazem ótimas lembranças para os brasileiros.

Saindo do Aeroporto Internacional de Papete e seguindo na direção sudeste, chegamos ao final da rua da praia de Teahupoo. Em taitiano, o nome do pico deixa o recado: Praia dos Crânios Quebrados.

Formação peculiar permite que surfistas assistam ao espetáculo do alto (Divulgação)
Formação peculiar permite que surfistas assistam ao espetáculo do alto (Divulgação)


A beleza que seduz é a mesma que mata. A massa de água acima da cabeça apavora até mesmo os melhores surfistas do planeta. Dentro dos enormes tubos, é possível chegar até três metros e meio abaixo da linha do oceano. Basta observar o nível que ficam os barcos e os surfistas que assistem a onda quebrar.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)


Em um cenário tão difícil e imprevisível quanto esse, impossível imaginar que logo os brasileiros seriam referência. Três histórias merecem destaque nessa relação com a paradisíaca ilha no meio do Pacífico.

:: RICARDO DOS SANTOS

Em Teahupoo, Ricardinho se tornou lenda antes de alcançar a eternidade. O catarinense era tão fissurado nas ondas que já chegou a deixar um campeonato em andamento para surfar por 18 horas em um dos maiores mares que o pico já proporcionou.

Essa paixão foi eternizada com o Andy Irons Award. O troféu que simboliza a performance mais inspiradora do evento foi dado após o bicampeonato nas triagens do Taiti em 2012.

:: BRUNINHO SANTOS

Ninguém gosta daquele cara que entra de bicão e come o primeiro pedaço de bolo, certo? Não se o “bicão”, no caso, seja Bruninho Santos. Foi isso que o carioca fez em 2008 como convidado em Teahupoo. Das triagens até a decisão, ele passou por 12 baterias e foi o primeiro brasileiro a fazer uma final no Taiti. O título foi mais do que merecido e comemorado.


:: GABRIEL MEDINA

Unir as palavras Gabriel e Taiti sempre rendeu resultados positivos. Em oito participações no evento, foram dois vice-campeonatos (2015 e 2017) e dois títulos (2014 e 2018). Atual campeão, Medina é favorito por encarar a parede de água de frente. Teahupoo é uma das poucas ondas do Circuito Mundial mais favorável para goofys do que para regulars.

O primeiro título no Taiti veio com uma vitória mais do que espetacular sobre o 11 vezes campeão mundial Kelly Slater em um mar histórico. No ano passado, as ondulações não estavam grandes, mas o troféu foi o ponto de partida para uma arrancada incrível que terminou com o bicampeonato mundial do brasileiro.

: KELLY SLATER

Mas Medina não é o único favorito a vencer em Teahupoo. Kelly Slater é o mais bem-sucedido de todos os tempos, com cinco títulos e duas baterias perfeitas, onde somou duas notas 10.

Entre os últimos campeões, Julian Wilson venceu em 2017, Jeremy Flores em 2015 e Adrian Buchan em 2013. Em uma das ondas mais perigosas do mundo, a experiência faz toda a diferença.

:: LISTA DE CONVIDADOS

Com as lesões de John John Florence e Mikey Wright, as vagas para a etapa mais sinistra da elite ficou repleto de nomes icônicos do surfe onda grandes. O brasileiro Lucas “Chumbinho” Chianca e o irmão de John John Florence, Nathan Florence foram dois atletas que competiram nas preliminares, definidas como triagens no mundo do surfe.

A primeira chamada do evento em Teahupoo acontece no dia 21/08, às 13h30 (horário de Brasília). Todas as notícias, é claro, você acompanha sempre aqui no Yahoo Esportes.

CONFIRA AS BATERIAS DA 1ª FASE MASCULINA:

1: Gabriel Medina (BRA) x Peterson Crisanto (BRA) x Soli Bailey (AUS)

2: Jordy Smith (AFS) x Adrian Buchan (AUS) x Jadson André (BRA)

3: Kanoa Igarashi (JAP) x Caio Ibelli (BRA) x Adriano de Souza (BRA)

4: Italo Ferreira (BRA) x Sebastian Zietz (HAV) x Kauli Vaast (PYF)

5: Filipe Toledo (BRA) x Joan Duru (FRA) x Tyler Newton

6: Kolohe Andino (EUA) x Yago Dora (BRA) x Matahi Drollet

7: Kelly Slater (EUA) x Deivid Silva (BRA) x Frederico Morais (POR)

8: Ryan Callinan (AUS) x Willian Cardoso (BRA) x Ricardo Christie (NZL)

9: Julian Wilson (AUS) x Michael Rodrigues (BRA) x Ezekiel Lau (HAV)

10: Michel Bourez (TAH) x Jeremy Flores (FRA) x Griffin Colapinto (EUA)

11: Owen Wright (AUS) x Wade Carmichael (AUS) x Jessé Mendes (BRA)

12: Conner Coffin (EUA) x Seth Moniz (HAV) x Jack Freestone (AUS)

Leia também