Prática, Independente e Confiante! Fiorella Mattheis fala sobre relacionamento com Pato

Fora de Campo

Com tudo para ser extremamente estereotipada, a modelo que virou atriz, a famosa que namora o jogador de futebol, mostrou em entrevista à revista “GQ Brasil” que não liga para o que os outros pensam. Perguntada sobre a possibilidade de ser chamada de maria-chuteira, Fiorella disse não se preocupar:

— Não me preocupo com isso, eu tenho minha carreira, minha independência, realização profissional, família, amigos, batalho desde nova, desde muito antes de conhecer o Alê.

Tendo iniciado a vida pública como modelo, Fiorella se tornou atriz do seriado “Vai Que Cola”. O desafio de fazer uma série de comédia foi aceito pela loira que falou sobre as chances de ser julgada como a modelo sem talento de atriz:

— Quando o projeto do Vai que Cola apareceu pra mim, bateu uma insegurança, é claro. Eu não sou comediante, então assumi aquilo como uma escola. Soube que teria que estudar, aprender, me reinventar. Decidi encarar. — disse a atriz que ainda falou sobre a relação com a plateia — A plateia só ajuda! Ela é um termômetro para o bem e para o mal; o bom é que a resposta é imediata. É super difícil fazer rir, o humor precisa de inteligência, timing, saber a hora de parar, voltar, dar a deixa... Mas o segredo é estar com o texto bem decorado para poder se divertir na hora H.

Por conta das gravações do seriado, Fiorella mora no Brasil, Pato, no entanto, passou parte do relacionamento na Espanha, quando jogava pelo Valência. O casal se dividia e sempre que possível, Fiorella viajava para acompanhar o trabalho do namorado das arquibancada e Pato, sempre que possível, vem ao Brasil assistir da plateia a atuação da namorada. Agora, com a ida do craque para o futebol Chinês, Fiorella falou sobre como recebeu a notícia:

— Não caiu não (como uma bomba). Eu sou muito prática, zero dramática. As coisas aparecem na minha vida e eu resolvo no mesmo segundo. — respondeu a modelo, que relaciona seu modo de ser ao seu signo — Sou aquariana, comigo não tem tempo ruim. — o amor também é responsável pelas atitudes de Fiorella — Eu amo o Alê de paixão, mas também amo meu trabalho. A gente tem que saber dançar conforme a música.

Fiorella aproveitou para falar como será o relacionamento daqui pra frente:

—A gente grava o Vai que Cola duas vezes por semana, de junho a outubro, mais ou menos. Então, são seis meses de gravação. Agora, com a China, vai ser um desafio maior, mas a gente vai se organizar e vai conseguir. O que importa é estar junto. O que são dois meses em anos? O que são seis meses numa vida inteira quando se quer estar junto? Ah, e a gente vai ter um tradutor! Isso sim vai ser importante.














E MAIS: