Pottker reclama de pênalti não marcado e rechaça “pé na final” do Paulista

Autor do primeiro gol na grande vitória de 3 a 0 da Ponte Preta sobre o Palmeiras, neste domingo, pela primeira partida da semifinal do Campeonato Paulista, William Pottker exaltou o rendimento da equipe, mas não se mostrou 100% satisfeito. Logo após o jogo, o atacante reclamou de um pênalti claro que recebeu e o juiz não marcou, mas pregou foco para a partida de volta.

No polêmico lance da tarde, quando a Macaca já vencia por 3 a 0, Pottker recebeu dentro da área, de costas para o Fernando Prass, e recebeu uma tesoura por trás. O árbitro Marcelo Aparecido de Souza entendeu que o goleiro alviverde tocou antes na bola e deu continuidade ao lance.

“É complicado. Era para ter sido mais mais. Não menosprezando a equipe do Palmeiras, até porque a gente sabe da força deles, mas não é porque está 3 a 0 que ele não vai dar um pênalti desses. Mas, fazer o que? Ele tem frações de segundo para tomar a decisão”, declarou o camisa 9 alvinegro, ao SporTV.

Leia também: Após vitória, Kleina cita Barça, elogia ataque da Ponte e critica arbitragem

Mesmo com o largo placar alcançado, Pottker preferiu adotar um discurso mais contido e levou até um “susto” quando perguntado se a equipe de Campinas já estava com a vaga encaminhada na final. O centroavante ainda relembrou a partida das oitavas de final da Liga dos Campeões em que o Barcelona saiu perdendo fora de casa por 4 a 0 e se classificou depois de uma incrível vitória por 6 a 1 na Espanha.

“Tá louco? Contra uma equipe dessas não existe pé na final. Maior exemplo disso é o Barcelona, foi lá e fez 6 a 1 no PSG e reverteu o placar. A gente tem que entrar focado e não relaxar”, declarou o jogador. “A gente sabe que está lidando com a melhor equipe da América do Sul. Tem que chegar lá e fazer um bom jogo”, completou.

Com um começo arrasador e muita qualidade na defesa, a Ponte garantiu larga vantagem para o duelo da volta, marcado para às 19h do próximo sábado, no Palestra Itália. Na visão de Pottker, a compactação e a pontaria da equipe foram responsáveis pelo expressivo triunfo.

“Tivemos uma compactação muito boa. Fomos aplicados na parte defensiva e soubemos utilizar bem o nosso contra-ataque. No jogo do Santos a gente teve vários contra-ataques e fizemos um gol. Nesse tivemos, se eu não me engano, uns oito contra-ataques bem sucedidos e fizemos três”, comentou o artilheiro do Paulistão com 9 gols, ao lado do são-paulino Gilberto.