Por que os jogadores do Flamengo apoiaram a volta aos treinos em meio à pandemia?

Goal.com

Em um momento no qual o Brasil já ultrapassou a marca dos 20 mil mortos em decorrência da Covid-19, que segue na sua curva ascendente no país, o Flamengo se colocou como principal interlocutor para o retorno dos treinos de seu time profissional. Dias depois de um encontro de dirigentes do Rubro-Negro e Vasco com o presidente Jair Bolsonaro, em Brasília, o atual campeão brasileiro e da Libertadores voltou às suas atividades. E com apoio em massa dos jogadores.

A grande maioria dos atletas do elenco comandado pelo técnico Jorge Jesus chegou a um consenso de seguir a linha de discurso do clube, bastante contestada em meio ao cenário da pandemia especialmente por uma dita falta de sensibilidade.

Nesta sexta-feira (22), nomes como Gabigol, Gerson, Bruno Henrique, Rafinha e outros publicaram em suas redes sociais mensagens, muito parecidas umas com as outras, de agradecimento ao Flamengo por lhe darem a oportunidade de retomar as atividades nos gramados do CT Ninho do Urubu. Confira, abaixo, alguns pontos que explicam o apoio dos jogadores à retomada das atividades.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Confiança no departamento médico

A presença do médico Márcio Tannure, que especialmente ao longo de 2019 ganhou mais confiança dos jogadores, é um dos pontos que explicam a boa-vontade dos futebolistas na retomada das atividades.

Na última temporada, vale lembrar, o desempenho do departamento médico do Flamengo foi decisivo para recuperar lesões de atletas em tempo recorde – assim como preveni-las. Vale destacar que antes de retornar às atividades, o Rubro-Negro fez uma testagem em massa nas pessoas direta ou indiretamente envolvidas no departamento de futebol. Nenhum jogador testou positivo para o novo coronavírus.

Posição de Jorge Jesus

Jorge Jesus Flamengo 21 11 2019
Jorge Jesus Flamengo 21 11 2019
(Foto: Getty Images)

O treinador português, obcecado pelo trabalho e talvez temeroso em ver seus atletas diminuírem o ritmo, foi outro que, desde seu retorno mais recente ao Brasil, defendeu o retorno das atividades no CT Ninho do Urubu.

Vale ressaltar que JJ não está sozinho neste tipo de opinião: em Londres, o seu compatriota José Mourinho, atual treinador do Tottenham, chegou a “furar” a quarentena para observar alguns jogadores seus praticarem exercícios físicos antes do pico de casos confirmados (que ocorreu em 12 de abril) no Reino Unido.

Atividade reduzida

Em seu entendimento, o Flamengo acredita que não fere o decreto da quarentena da prefeitura ou do governo do estado, uma vez que apesar de proibir atividades como academias e comércio, ele não cita absolutamente sobre treinos em campo aberto dentro de propriedade privada (centros de treinamentos de clubes de futebol).

Além disso, ressalta que demais atividades como mercado, padarias e clínicas, entre outros, podem funcionar com até 30% de sua lotação máxima, contanto que respeitem as determinações de distanciamento social e protocolos de segurança. As atividades no CT Ninho do Urubu estão acontecendo com 20% dos quadros de funcionários e testagem constante.

Multa da prefeitura antes do retorno oficial

Nesta sexta-feira (22), o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, informou que a partir de 25 de maio os clubes cariocas poderão voltar às atividades.

Ainda nesta sexta, o jornalista Ancelmo Góes revelou em sua coluna no jornal O Globo que a prefeitura multou o Flamengo em cerca de R$ 2 mil pelo fato de o clube ter impedido a entrada de fiscais da subsecretaria de Vigilância Sanitária no CT Ninho do Urubu. O Flamengo desconhece a punição, segundo o Globoesporte.com, e garante estar tranquilo para justificar a infração.

Covid-19 ainda cresce no Brasil

De acordo com os dados da Organização Mundial de Saúde, os casos confirmados de Covid-19 no Brasil aumentaram de 13.140 desde quarta-feira (20), dia que o Flamengo voltou às suas atividades, para 19.951 no último relatório -referente a 21 de maio. O número de mortes segue aumentando, o que reforça o entendimento da falta de sensibilidade do clube em voltar com suas atividades neste momento.

Leia também