Por que o futebol não emplaca na Olimpíada?

Redação Yahoo! Esportes
Yahoo! Esportes

Experimente dizer a um uruguaio que ele não é tetracampeão do mundo de futebol. Um chilicón é provável. Além dos dois títulos nas Copas do Mundo de 1930 e de 1950, eles contabilizam o bicampeonato olímpico de Paris-1924 e Amsterdã-1928. Nos primeiros anos do esporte bretão, os torneios da Olimpíada eram os únicos que reuniam as melhores equipes do planeta. Muito mudou depois daqueles passos iniciais.

O principal motivo para o esvaziamento do torneio de futebol nas Olimpíada, depois de décadas de participantes amadores, surgiu em Los Angeles-1984. Decidiu-se aceitar jogadores profissionais nas partidas, em uma tentativa de rivalizar com a Copa do Mundo já consagrada. A Fifa reagiu limitando a permissão àqueles que não tivessem atuado em seu torneio. Como o órgão boleiro tem poder para impedir clubes de cederem seus jogadores, o jeito foi aceitar.

Uma nova tentativa de rivalizar com a Copa do Mundo veio em Barcelona-1992. Depois de muita pressão do Comitê Olímpico Internacional, que também abriga membros da Fifa, a regra foi ajustada: surgiu a permissão à presença de três jogadores com até 23 anos de idade. Surpresa ou não, países famosos por adulterar a idade de seus atletas, como os africanos Nigéria e Camarões, sagraram-se campeões em Atlanta-1996 e Sydney-2000, respectivamente.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

A verdade é que década em que os uruguaios ganharam o bicampeonato olímpico foi a única em que o torneio realmente teve destaque. Antes disso, os espectadores preferiam as partidas de pólo aquático, introduzidas em Londres-1908. Com o surgimento da Copa do Mundo, apenas países ligados à União Soviética ganharam força, já que apenas amadores podiam jogar. De Helsinque-1952 a Moscou-1980, apenas seleções do bloco comunista triunfaram.

Se o Brasil domina o futebol mundial na Copa do Mundo, o seu equivalente no futebol olímpico é a Hungria: três ouros (Helsinque-1952, Tóquio-1964 e Cidade do México-1968), uma prata (Munique-1972, derrota para a Polônia) e um bronze. Logo atrás aparecem os bicampeões Uruguai, Argentina (Atenas-2004 e Pequim-2008), União Soviética (Melbourne-1956 e Seul-1988) e Grã-Bretanha (Londres-1908 e Estocolmo-1912).

Entre as seleções campeãs do mundo, a brasileira é a única que nunca conquistou o torneio olímpico. Bateu na trave duas vezes, perdendo para a França em Los Angeles-1984 e para a União Soviética em Seul-1988. Os tetracampeões mundiais italianos ligam tão pouco para o torneio que só venceram em Berlim-1936. A versão comunista da Alemanha foi campeã só em Montreal-1976. Os espanhóis se dedicaram de verdade só no título em Barcelona-1992.

Leia também