Por que comer e beber em excesso podem aumentar o risco de câncer

Yahoo Vida e Estilo
Comer demais pode causar câncer? Foto: Getty Creative
Comer demais pode causar câncer? Foto: Getty Creative

Por Cristiane Bomfim, da Agência Einstein

Ano de 2020. Ou 366 dias (é um ano bissexto) com nove feriados nacionais que podem ser estendidos e uma série de datas comemorativas, como Dias das Mães, dos Namorados, dos Pais, das Crianças... Isso sem contar as festas de aniversários, happy hours com os amigos, festas de casamento, de formatura, confraternização das empresas.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

Ou seja, uma série de justificativas para exceder na comida e na bebida. Mas estes excessos e a pouca prática de atividade física que sucedem tantos eventos são uma combinação perigosa e aumentam o risco de câncer. 

Leia também

“A questão nutricional tem papel importante na prevenção do câncer. Há uma série de estudos que relacionam o excesso de comida e de álcool ao aumento do risco da doença. Por isso, a moderação é a melhor recomendação para uma vida saudável em curto, médio e longo prazo. Talvez por ser uma fórmula tão simples, as pessoas acabam deixando de lado”, afirma Andrea Pereira, nutróloga do Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital Israelita Albert Einstein. 

Pesquisa da Universidade de Cambridge financiada pela Cancer Research, no Reino Unido, e publicada na revista Nature há um ano, mostra, por exemplo, que o consumo exagerado de álcool tem capacidade de danificar o DNA das células-tronco. O estudo teve como base o sequenciamento do DNA e a análise cromossômica de células de ratos cobaias que ingeriram álcool diluído, conhecido como etanol, para avaliar o dano genético causado pelo acetaldeído (substância química prejudicial produzida pelo organismo durante o processamento do álcool). A descoberta é que o acetaldeído danifica o DNA das células do sangue e altera de forma permanente sua sequência. As células imperfeitas (ou defeituosas) se multiplicam e se alastram para outros tecidos com facilidade e tornam o corpo mais vulnerável ao câncer.

“Até agora, o que se preconiza é que homens tomem até duas doses de álcool por dia e mulheres uma, já que o metabolismo feminino é diferente. Mas no Congresso da ASCO (Sociedade Americana de Oncologia Clínica) deste ano, uma das fortes recomendações foi que não há uma quantidade segura e, por isso, evitar é sempre a melhor opção”, afirma Andrea Pereira.

O mesmo vale com alimentação. Sal e açúcar em demasia, muita gordura e alimentos processados contribuem para elevar o risco de câncer. Não existe um alimento vilão. O exagero, sim, é o vilão. Por isso, a principal dica é evitar a gula. “A pessoas esquecem que carnaval, festa de aniversário, casamento, Natal e Réveillon são eventos que vão se repetir ao longo dos anos e aí extrapola. Para quê fazer dois pratos enormes em uma festa e comer três sobremesas?”, diz a médica. Os exageros na comida resultam ainda no ganho de peso, outro fator de risco para o câncer. 

Uma coisa leva a outra. Agenda cheia de compromissos, exagero na comida e na bebida resultam, normalmente, na preguiça do dia seguinte. “Com isso, a atividade física fica é adiada. Lamentavelmente o Brasil é o país mais sedentário da América Latina, segundo estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS). E a falta de exercícios também contribui para o risco de câncer”, diz a médica. 

(Fonte: Agência Einstein)

Leia também