Por que a Copa do Mundo tem tantos 0 a 0?

Croácia e Marrocos ficaram no zero a zero (Foto: Francois Nel/Getty Images)
Croácia e Marrocos ficaram no zero a zero (Foto: Francois Nel/Getty Images)

0 a 0 é o pesadelo do torcedor. Em 2022, com menos de uma rodada de Copa do Mundo, mais partidas já terminaram sem gols (3) do que em todo o torneio de 2018 na Rússia. Existe alguma explicação para isso?

Dá para colocar bastante disso em um ponto: a pouca possibilidade de treino das seleções, seja pelas tentativas de ajeitar o calendário depois da pandemia ou por toda a bagunça de datas geradas pela necessidade da Copa ser realizada no fim do ano ao invés do já tradicional meio do ano

Após a parada do futebol por causa da pandemia, todo mundo se viu em uma situação complicada para colocar os calendários em dia. Vários campeonatos nacionais precisaram diminuir bastante o intervalo entre partidas para tentar acertar a questão. E dá até para dizer que a mudança no período do Mundial complicou a possibilidade dessas reposições também.

Leia também:

As Datas Fifa também foram bastante afetadas por essa tentativa de readequação do calendário. Cada oportunidade das seleções se encontrarem passou a ter mais jogos espremidos em pouco tempo, diminuindo a possibilidade dos técnicos treinarem suas equipes no período. Para times que tem poucas chances de treinar, faz uma grande diferença.

E com a Copa no fim do ano, bem no meio do calendário do futebol europeu, as seleções não puderam fazer aquele já rotineiro período de preparação antes do torneio. A maioria dos jogadores que estão no Catar jogaram partidas de campeonatos nacionais até o final de semana de 12 e 13 de novembro, sete dias antes do início do Mundial.

Pensando nos jogos que já aconteceram na Copa, várias seleções mostraram bastante dificuldade no período ofensivo e até na transição defensiva, duas partes do jogo que são extremamente afetadas por treinos.

Mesmo França e Inglaterra que golearam na estreia fizeram mais por causa da qualidade de seus jogadores em comparação com os adversários - Austrália e Irã, respectivamente -, do que por jogadorem um futebol vistoso.

Quem mais jogou como um time na primeira rodada até o momento foi provavelmente a Arábia Saudita, que surpreendeu a Argentina e venceu por 2 a 1. E aí voltamos ao ponto da preparação.

Os sauditas foram a seleção que mais teve tempo de treinos antes da Copa do Mundo. Além do fato de que boa parte do elenco joga em um mesmo time, o que ajuda bastante no entrosamento, os comandados de Herve Renard passaram boa parte de outubro e novembro em uma base nos Emirados Árabes Unidos e puderam fazer cinco amistosos no período. Foram contra adversários de menor escalão, mas não deixa ser uma possibilidade de colocar em prática o que foi ensaiado nos treinos.

Sem esse período de treinos seria extremamente difícil fazer tão bem a linha de impedimento que fez com que os argentinos ficassem fora de posição sete vezes só no primeiro tempo. Na segunda etapa, o time também mostrou repertório ofensivo e bola para virar o jogo. Não foi por acaso como em outras grandes zebras do futebol. Os sauditas mereceram a virada.

Com defesas cada vez mais fechadas e a preparação física em alto nível, é difícil achar espaços sem ter repertório ofensivo, principalmente quando as equipes têm níveis parecidos de talento. E aí a possibilidade de termos jogos sem gols aumenta bastante.