Por dívida antiga, CEO do Espetto Carioca revela ao LANCE! 'intenção de penhorar as contas' do Vasco

Felippe Rocha
·2 minuto de leitura


O caso já tem mais de três anos, mas segue gerando problemas ao Vasco. Um acordo do clube com o Espetto Carioca para fornecimento de alimentos envolveu reclamações de ambas as partes, mas coube ao Cruz-Maltino arcar com uma dívida que só faz crescer. Antes, era Alexandre Campello o presidente. Agora, Jorge Salgado quem tem a missão de estancar esta sangria. Leandro Souza, CEO da empresa, explica, ao LANCE!, que a intenção, agora, é penhorar as contas do clube para receber o acordado na Justiça.

- O Vasco tinha uma dúvida de cerca de R$ 900 mil, que estávamos dispostos a negociar, trocar por patrocínio em uniforme, por exemplo, mas o clube não quis e a dívida, com multas, juros e correções, chegou a R$ 3 milhões. Do total, conseguimos um bloqueio na CBF de cerca de R$ 1 milhão e, com isso, negociamos o valor, que ficou em R$ 1,6 milhão - afirmou Leandro, que completou:

- Dessa quantia, R$ 600 mil poderiam ser pagos em parcelas de R$ 20 mil, das quais também não foram cumpridas. De modo que estamos, mais uma vez, acionando o clube na justiça com intenção de penhorar as contas, incluindo cerca de 35% do valor, que era cobrado antes do acordo - afirmou o CEO.

O Espetto Carioca alega que o Cruz-Maltino não paga as parcelas do acordo desde fevereiro deste ano. O acordo firmado na Justiça em julho de 2019 previa que, em caso de não pagamento da dívida, o valor inicial, sem o desconto aplicado, poderia ser cobrado.

-> Confira a tabela do Campeonato Carioca

O contrato foi firmado no início da gestão de Alexandre Campello, mas a parceria durou apenas três meses. Isso por conta de reclamações quanto à prestação do serviço da fornecedora de alimentos. O Vasco optou por rescindir, o Espetto Carioca entrou na Justiça e, um ano depois, o acordo entre as partes aconteceu. Agora, porém, um novo capítulo parece ter início.

O Cruz-Maltino foi procurado pela reportagem do LANCE!. Todavia, manteve o praxe de não comentar processos judiciais.