Por acesso na Série B, Vasco enfrenta o Sampaio Corrêa podendo encerrar um tabu de 35 anos

Vasco pode subir com uma rodada de antecedência, mesmo perdendo para o Sampaio Corrêa (Matheus Lima/Vasco)


Vencer para subir. Esse o objetivo do Vasco no jogo contra o Sampaio Corrêa, nesta quinta-feira, em São Januário, pela 37ª rodada da Série B. Com a vitória, o Cruz-Maltino chegaria aos 62 pontos e garantiria o acesso matemático, já que não poderia ser alcançado pelo Ituano, que tem 54 e é o 5º colocado.

A trajetória como mandante do Vasco na Série B enche de confiança o seu torcedor de que o acesso não será adiado. Dos 59 pontos, 42 foram conquistados no Rio de Janeiro, onde o time tem um aproveitamento de 78%. De quebra, é o único invicto da Série B dentro dos seus domínios, seja ele São Januário e Maracanã, estádio que o Cruz-Maltino mandou os seus jogos contra o Cruzeiro (1 a 0) e o Sport (0 a 0).

+ Vasco depende de uma vitória para subir; confira a classificação da Série B

Esse será o 22º e o último jogo do Vasco em São Januário na temporada e pode representar, além do acesso, o fim de um tabu histórico de 35 anos. Foi em 1987 o último ano que o Cruz-Maltino não foi derrotado em São Januário. Naquela temporada, o time até perdeu como mandante no Campeonato Brasileiro para Atlético-MG e São Paulo, mas os jogos foram disputados no Maracanã, o que era comum na década de 1980.

Até em anos históricos o Vasco foi derrotado em São Januário. Liderado por Edmundo, o Cruz-Maltino terminou invicto como mandante e campeão no Brasileiro de 1997, mas foi perdeu para o River Plate, por 2 a 0, na Supercopa da Libertadores. A campanha do título Brasileiro de 2000 começou com uma derrota para o Sport, por 2 a 0, em São Januário, com Romário em campo.

+ Apesar das críticas, Série B atual do Vasco é semelhante às edições de 2014 e 2016

O torcedor carregou o Vasco nas costas, ou melhor, em São Januário, estádio conhecido por ser um território hostil, desde 1927. A invencibilidade somada ao acesso é o título simbólico que a torcida merece por jamais ter abandonado o time durante a Série B. Vale lembrar que os ingressos se esgotaram em 16 dos 19 jogos do time como mandante.