Político da Rússia, sede da Copa de 2018, propõe legalizar hooliganismo

Faltando um ano para a Copa do Mundo e poucos meses para a Copa das Confederações, Rússia tenta diminuir violência

O político Igor Lebedev, da Rússia, propôs regras para as brigas entre torcidas. Segundo ele, os confrontos envolveriam 20 competidores não armados em cada lado em um duelo organizado. A Rússia será a sede da Copa do Mundo de 2018.

Vale lembrar que um grupo de russos foi deportado da Eurocopa da França, em 2016, após repetidas cenas de violência. Lebedev, que representa a oposição ao Partido Democrático Liberal da Rússia, também está no conselho da União de Futebol do país. Em seu site, ele publicou a proposta.

- A Rússia seria pioneira nesse novo esporte. Por exemplo, os torcedores chegariam e começariam a escolher as lutas. E eles teriam a resposta e, com o desafio aceito, seria marcado um encontro no estádio em uma hora combinada - disse.

Depois das brigas e confusões entre os torcedores do país e os da Inglaterra durante a Euro, Lebedev disse que "não via nada de terrível nas brigas".

Em documentário produzido pela rede britânica BBC, chamado de Russia's Hooligan Army (Exército Hooligan da Rússia), os hooligans do país disseram que estão prontos para fazer "um festival da violência" na Copa.







E MAIS: