Polícia indiana prende estudantes muçulmanos por gritos pró-Paquistão em partida de críquete

·1 min de leitura

AGRA, Índia - A polícia indiana no estado de Uttar Pradesh prendeu três estudantes da região da Caxemira por supostamente celebrar a vitória do Paquistão sobre a Índia em jogo de críquete válido pela Copa do Mundo da modalidade.

Segundo as autoridades, o trio gritou frases "anti-Índia e pró-Paquistão" durante a partida. Ele foram acusados de "promover inimizade e terrorismo cibernético". As prisões são as mais recentes na repressão contra muçulmanos por apoio ao time paquistanês.

Após a partida, o único jogador muçulmano da equipe indiana de críquete foi atacado na internet. Usuários acusaram Mohammed Shami de entregar o jogo para o adversário e o chamaram de "traidor".

A relação entre os países vizinhos são conturbadas, e partidas de críquete, o principal esporte na Índia, costumam elevar as tensões. Índia e Paquistão reivindicam a totalidade do território da Caxemira, mas controlam apenas parte da região. Os países entraram em guerra duas vezes por essa questão.

Os estudantes de Caxemira foram suspensos de sua faculdade por supostamente publicar no status do WhatsApp mensagens exaltando a equipe do Paquistão. Eles foram presos após uma reclamação de alguns membros do Partido Bharatiya Janata (BJP), de acordo com a polícia.

Depois do jogo, centenas de caxemires saíram às ruas em comemoração e gritaram "Viva o Paquistão" na região do Himalaia, que assistiu a uma insurgência armada de décadas contra Delhi, de acordo com a Associated Press. A morte de civis da Caxemira preocupa militantes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos