Polícia aponta que acidente de Tiger Woods foi causado por excesso de velocidade

LANCE!
·1 minuto de leitura


A investigação policial do acidente automobilístico do golfista Tiger Woods foi concluída nesta quarta-feira (07). De acordo com o xerife do condado de Los Angeles, a colisão foi causada pelo excesso de velocidade e consequente perda do controle da direção do carro. O atleta não foi acusado de dirigir embriagado ou de distração ao volante.

> Confira a classificação atualizada do Cariocão 2021 e simule os resultados

De acordo com as investigações, Tiger Woods estava entre 135 km/h e 140 km/h em uma estrada com limite de 72 km/h. O relatório da polícia também diz que, apesar do golfista e seus representantes terem colaborado com as apurações, mas que ele não tem memória do acidente. Em seu Twitter, Woods agradeceu aos socorristas e a polícia pela ajuda na colisão.

- Nos últimos dias, recebi informações do Departamento de Xerifes do Condado de Los Angeles que as investigações do meu acidente em 23 de fevereiro foram completadas e encerradas. Sou muito grato aos dois bons samaritanos que me assistiram e ligaram para a emergência - disse o golfista.

Veja abaixo seu pronunciamento oficial.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Em 23 de fevereiro deste ano, Tiger Woods sofreu um grave acidente de carro perto de Rancho Palos Verdes, na Califórnia, nos Estados Unidos, nesta terça-feira. O jogador foi retirado do carro por socorristas e teve múltiplas lesões nas pernas, segundo informou o agente de Tiger. Ele foi hospitalizado e passou por cirurgias.