Polêmicas e briga marcam primeiro Fla-Flu da final do Carioca; Nino critica fatores 'externos'

·2 minuto de leitura

Provocações, faltas duras, chuva de cartões amarelos, pênalti, jogo mudando de mãos, gols perdidos de forma inacreditável... O primeiro Fla-Flu da decisão do Campeonato Carioca teve um pouco de tudo, até mesmo presença de torcedores no estádio, algo que, teoricamente, não estava permitido: cada clube recebeu o direito de convidar cerca de 150 pessoas, iniciativa usufruída em larga escala pelo Flamengo, situação que gerou enorme debate nas redes sociais. Ainda que em menor escala, o Tricolor também teve alguns funcionários presentes no Maracanã.

Dentro das quatro linhas, alguns lances capitais geraram enorme discussão, como a entrada de Egídio no pênalti cometido sobre Gerson e a falta duríssima de Rodrigo Caio sobre Cazares, já nos acréscimos. Muitos interpretaram os dois lances como passíveis de cartão vermelho pela intensidade das entradas, mas nos dois casos, o criticado árbitro do jogo - Alexandre Vargas Tavares de Jesus -, aplicou o cartão amarelo.

Egídio cometeu pênalti grosseiro em Gerson | Andre Melo Andrade/MyPhoto Press/Gazeta Press
Egídio cometeu pênalti grosseiro em Gerson | Andre Melo Andrade/MyPhoto Press/Gazeta Press

E se houve polêmica dentro das quatro linhas, houve também fora delas. Após o apito final, uma confusão generalizada se deu na saída dos atletas aos vestiários. Em vários vídeos publicados nas redes sociais, é possível ver o centroavante Fred xingando em direção ao setor Maracanã Mais, onde estavam presentes os convidados do Flamengo. O camisa 9 precisou ser contido por seus companheiros de time. A confusão não parou e se estendeu para a área interna do Maracanã, exigindo a intervenção de diversos seguranças para conter os exaltados ânimos.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Em entrevista concedida à FluTV após a partida (via ge), o zagueiro Nino não escondeu seu incômodo com esses fatores externos, criticando o comportamento dos convidados e a pressão que aplicaram ao longo de toda a partida nas marcações da arbitragem de campo.

"Clássico é isso. Sabíamos que seria um jogo disputado, que eles tentariam ganhar no grito, ganhar antes de o jogo começar. Mas viemos preparador para isso. Sabemos que, se acreditarmos até o final, temos toda chance de ser campeões. Não tenho dúvida. Eles não vão ganhar na briga. Temos que jogar concentrados por 90 minutos. E o segundo jogo será assim também", afirmou

Flamengo e Fluminense voltam a se enfrentar no próximo sábado (22), pelo segundo e derradeiro jogo da final do Carioca. Novo empate leva a decisão às penalidades.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos