Pochettino nega treinar Barcelona: "amo o Espanyol"

O técnico do Tottenham, Mauricio Pochettino, em Londres, em 19 de março de 2017

O argentino Mauricio Pochettino, atual treinador do Tottenham, descartou qualquer possibilidade de dirigir o Barcelona, nesta quinta-feira, e justificou que sua decisão se baseia no passado no Espanyol, clube que declarou ser eterno torcedor.

Os rumores começaram depois de Pochettino ser fotografado junto com o presidente do Barça, Josep María Bartomeu. Os catalães precisam buscar substituto para Luis Enrique, que anunciou que não vai continuar depois do fim da temporada.

"É verdade que foi uma coincidência em um bar de Barcelona, na última terça-feira (28). Eu o conheci muito antes que ele se tornasse presidente do Barcelona", explicou o treinador aos jornalistas.

"Muita gente fala com você e você fica uns minutos com ela. Essa é a verdade. Sou torcedor do Espanyol, então não preciso falar muito sobre isso. Se Daniel Levy, presidente do Tottenham, me despedir em alguns anos e eu estiver livre, vai ser impossível eu treinar o Arsenal", relatou o argentino.

"No futebol é difícil ser leal ao seu coração e suas emoções, mas acho que é preciso. Mais do que ser treinador ou jogador. Sou fã do Espanyol, amo o Espanyol", finalizou.

Pochettino jogou no Espanyol, o segundo time mais importante de Barcelona, entre 1994-2000 e 2004-2006. O treinador se aposentou na equipe e iniciou a carreira como técnico no time, entre 2009 e 2012, antes de buscar a vida na Inglaterra.

Os jornalistas insistiram, mas Pochettino pôs fim à especulação: "acho que minha resposta foi clara".

Entre os candidatos para treinar o Barça na próxima temporada, o auxiliar de Luis Enrique, Juan Carlos Unzúe, aparece como favorito. Ernesto Valverde, do Athletic Bilbao, e o argentino Jorge Sampaoli, do Sevilla, são outros nomes cotados para a vaga.