PL Brasil: A hora e a vez do Sunderland

“Cada um tem sua hora e sua vez: você há de ter a sua”, já dizia Nhô Augusto, lendário personagem de Guimarães Rosa, em sua história A hora e a vez de Augusto Matraga, contido em Sagarana. A história trata de redenção e salvação no sertão nordestino. Se alçarmos voo para o além-mar e pararmos no nordeste da Inglaterra podemos utilizar a mesma frase, não para salvação e redenção, mas sim para condenação e juízo. Seria demais falarmos que a hora e a vez do Sunderland ser rebaixado chegou? Acho que sim! É um bom momento!

Os Black Cats voltaram à Premier League na temporada 2007-08 após serem campeões da Championship, sob a batuta de Roy Keane. Desde lá rodaram nove técnicos até chegar em David Moyes na atual temporada. Quase todos com uma característica em comum: brigavam contra o rebaixamento! Apenas na temporada 2010-11, sob o comando de Steve Bruce, o clube conseguiu terminar na décima posição com uma temporada relativamente tranquila.

Seis vezes campeões da Primeira Divisão inglesa, o Sunderland vem mantendo sua permanência na elite de uma maneira até certa forma vexaminosa. Com uma camisa muito pesada, com muita história e com grandes jogadores tendo passado por seu plantel, o time hoje em dia luta desesperadamente para sair da zona de rebaixamento, mas a queda parece cada dia mais certa e iminente.

A impressão que temos é que a direção do clube parou no tempo. Contratações muito duvidosas mesmo com um montante altíssimo de dinheiro ganho pelos direitos da televisão, que é um dos os maiores do mundo. A escolha de David Moyes para o cargo pareceu ter deixado latente a falta de ambição do alvirrubro.

As contratações de Oviedo e Pienaar soaram quase como uma piada na Inglaterra, o primeiro por se tratar de uma absurda falta de técnica e nível competitivo e o outro por parecer ter sua estrutura feita de vidro. Nada parece cooperar. A venda de Van Aanholt, um dos únicos destaques do time, para o Crystal Palace confirmou que as coisas vão mal para os Black Cats.

Chega a dar dó de Jermain Defoe, às vezes. Apesar da idade, parece ser o único que tem alguma ambição no time e o número de gols em meio a uma equipe tão fraca deixa tudo isso às claras.

A fala de Nhô Augusto faz muito sentido nesse contexto, mas como já disse: para a condenação. Há tempos o Sunderland vem flertando seriamente com o rebaixamento e nessa temporada as perspectivas são ainda piores. Atual lanterninha do campeonato, no momento estão a 10 pontos do 17º colocado, Hull. Com poucas rodadas faltando e com a melhora do Swansea após a chegada de Paul Clement, o cenário para a fuga está quase impossível. Com o perdão do trocadilho infame, talvez seja a hora de caírem para sua diretoria cair na real e aprender a honrar a história de um time tão grande e vitorioso.

No fundo todos os amantes do futebol saem perdendo, pois a possibilidade do Newcastle subir da segundona é gigantesca. Pensar em uma Premier League sem o Tyne-Wear Derby (nome dado ao clássico), é uma tristeza para todos que amam o futebol da terra da Rainha.