Pitacos do UFC Moscou, com Renato Moicano: ‘Favoritismo total do Zabit’

Yahoo Esportes
Magomedsharipov e Kattar se enfrentam na Rússia (Jeff Bottari/Zuffa LLC/Getty Images)
Magomedsharipov e Kattar se enfrentam na Rússia (Jeff Bottari/Zuffa LLC/Getty Images)

O UFC retorna à capital russa na tarde deste sábado com uma nova estrela em ascensão do país no MMA, e Zabit Magomedsharipov é favoritíssimo contra o duro Calvin Kattar.

Embalado por uma ótima sequência de 13 vitórias no MMA, incluindo cinco triunfos no octógono, Magomedsharipov entrará no rol de melhores lutadores da categoria peso pena (66kg) caso saia vencedor no UFC Moscou. A missão, porém, não é fácil. Kattar venceu quatro dos cinco oponentes que enfrentou no UFC desde 2017, incluindo nocautes sobre Jeremy Stephens e Shane Burgos.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Magomedsharipov leva vantagem no quesito altura e envergadura sobre qualquer atleta da categoria pena no UFC, e o jogo de finalizações — apurado pelo faixa-preta Ricardo Cachorrão em Nova Jersey — será suficiente para, na opinião do blog, vencer a luta por pontos.

Renato “Moicano”, que com a saída de José Aldo da divisão se tornou o brasileiro mais bem rankeado até 66kg, conversou com o blog sobre seus palpites para o UFC Moscou. O peso-pena brasiliense, único a vencer Kattar no UFC, vê superioridade de Magomedsharipov no confronto de estilos.

“Vai ser uma luta muito boa. Kattar tem resistência, um bom boxe, potência, boa defesa de quedas, e pode complicar a luta. O grande problema do Kattar é que ele não defende bem os chutes. Zabit é o grande favorito, mas faço um adendo por que ele também tende a se cansar. Ele mostrou isso contra Stephens e (Kyle) Bochniak. Acredito que o preparo físico do Kattar seja melhor, mas é favoritismo total do Zabit”, apontou “Moicano”.

Na segunda luta mais importante do card, Greg Hardy pega o desafio mais duro de sua carreira contra o peso-pesado local Alexander Volkov. Hardy, que foi um promissor jogador de futebol americano até ser expulso da NFL por agredir a ex-namorada, se enveredou em uma nova carreira esportiva através do MMA e chegou rapidamente ao UFC, mas os impressionantes nocautes se misturam com lutas confusas que terminaram sem vitória.

Hardy substituiu o lesionado Junior “Cigano” aos 45 do segundo tempo, e o blog acredita na vitória russa por nocaute no segundo round. Hardy já mostrou que seu condicionamento físico não é dos melhores, e o refinamento técnico superior de Volkov na luta em pé será o diferencial para castigar com socos e chutes até conseguir o nocaute. As chances de Hardy moram em um soco bem encaixado para surpreender.

“Moicano”, embora companheiro de equipes de Hardy na American Top Team na Flórida, também acredita na vitória do russo.

“Alexander Volkov é franco favorito. O Greg teve uma evolução muito boa, vai lutar pela quinta vez esse ano, um recorde para pesos-pesados no UFC, mas pegou a luta em cima da hora. Volkov é um cara muito duro que já ganhou de caras bem expressivos, como o (Fabrício) Werdum. Pelas características, acho que vai dar o russo. Ele é maior, trabalha melhor os golpes em linha. O Greg ainda está começando no MMA, mas o bom do MMA é isso, o cara que se dispõe a esses desafios também tem a chance de vencer. Essa vitória por catapultar o Greg a voos bem maiores, mas acho que o Volkov vence”, disse “Moicano”.

O único representante do Brasil no card é Klidson Abreu, manauara que fez fama com vitórias sobre russos antes de assinar contrato com o UFC. De volta à Rússia para o evento deste sábado, ele enfrenta o invicto Shamil Gamzalatov em busca de uma mais resultado positivo para justificar o apelido “Terror dos Russos”.

Especialista no jiu-jitsu, Abreu evoluiu na parte de trocação em pé desde os tempos em que treinava em Curitiba. Com nova casa na American Top Team, ele espera se tornar ainda mais versátil enquanto cresce na categoria até 93kg.

“Klidson é um cara muito duro. Ele tem um chão muito bom, vem evoluindo muito na parte de MMA. Ele vem de uma escola boa de porrada na Evolução Thai, mas o forte dele é no chão. O Gamzatov chegou a treinar na ATT quando lutava na PFL, mas não o vi treinando muito. Acredito que vai ser uma luta dura por ser na Rússia, mas acho que o Klidson consegue levar para o chão — e ele tem o chão muito diferenciado. Apesar de luta contra russo sempre ser dura, acredito que o Klidson leva a melhor”, disse o brasileiro.

A quarta atração mais interessante do evento terá frente a frente os meio-médios Anthony Rocco Martin, outro companheiro de time de “Moicano”, e Ramazan Emeev.

Martin busca dar a volta por cima após tropeçar diante de Demian Maia em junho, quebrando uma sequência de quatro vitórias, enquanto Emeev tenta emplacar o oitavo triunfo consecutivo, o quarto pelo UFC — incluindo um resultado positivo sobre o brasileiro Alberto Miná no Rio de Janeiro, em maio.

Apesar do afiado jogo de chão de Martin, o blog acredita em vitória norte-americana na decisão dos juízes.

“Eu já treinei bastante com o Anthony Rocco. Ele está fez um camp com o (Roan) ‘Jucão’ na ATT Atlanta, e acredito que vai ganhar essa luta. Pra falar a verdade eu não conheço o adversário dele, mas o cara que está treinando com o ‘Jucão’ está sempre bem preparado. Conheço as qualidades do Anthony, então acho que vai ser uma luta boa pra ele”, apostou “Moicano”.

Leia também