Pioneiro no Brasil, Goiás usará reconhecimento facial como mandante em 2023

Sistema de reconhecimento facial na Serrinha (Divulgação/Goiás)


Pioneiro no Brasil na utilização da tecnologia do reconhecimento facial em seu estádio, o Goiás aprovou os resultados obtidos e irá adotar em definitivo a utilização do sistema no Estádio Hailé Pinheiro, popularmente conhecido como Serrinha. Assim, a proposta inovadora e que acompanha o padrão utilizado nas principais praças esportivas do mundo se estenderá para todos os jogos do
Verdão como mandante em 2023.

A primeira vez que o Esmeraldino adotou as câmeras de reconhecimento nas catracas da Serrinha foi em partida contra o Corinthians, pelo Brasileirão, em 29 de outubro do ano passado. Nos jogos seguintes, contra Juventude e São Paulo, também houve utilização da tecnologia. Assim, a Serrinha se tornou o primeiro estádio do Brasil a usar esse método para 100% do público presente.

>Confira todas as movimentações no mercado da bola do LANCE!

- É algo que prezamos muito, o conforto e a segurança do nosso torcedor e de qualquer visitante em nossa casa. O Goiás decidiu investir na tecnologia do reconhecimento facial por entender que é algo pioneiro, que vai auxiliar muito e trazer cada vez mais torcedores para os jogos. A família se sentirá mais segura e tranquila para frequentar as praças esportivas e é isso que queremos disponibilizar ao nosso torcedor - avalia Tiago Pinheiro, Diretor de Marketing do Goiás e que atua diretamente no trabalho de modernização do estádio.

- Acredito que podemos ser uma referência nessa questão. Nesta semana mesmo vimos o Palmeiras seguindo o nosso exemplo. Acredito que estamos no caminho certo. Não mediremos esforços para ajudar o futebol brasileiro a se modernizar, principalmente em termos de segurança nas arenas - acrescenta.

Além do reconhecimento facial nas catracas de acesso, a Serrinha conta também com vigilância por câmeras de superzoom em seu interior, capazes de identificar qualquer torcedor presente no estádio, além de ter lentes instaladas em capacetes utilizados pelos seguranças particulares contratados pelo clube. Assim, qualquer atitude indevida nas arquibancadas pode ser gravada e armazenada para reconhecimento e identificação do infrator, que poderá ser punido e até mesmo impedido de entrar em outros jogos do time.

O Palmeiras testou a tecnologia na última terça-feira (10), em jogo-treino, e deve implantá-la para os jogos no Allianz Parque, em São Paulo. Além da segurança, o clube paulista visa atacar o problema dos cambistas, que se apropriam de ingressos e planos de sócio-torcedores para vender os bilhetes indevidamente. Como a entrada passará a exigir reconhecimento facial, a medida inviabilizaria o repasse de ingressos nominais a terceiros.

O Goiás estreou na temporada já utilizando o sistema de reconhecimento facial na Serrinha, em confronto contra a Aparecidense, pela 1ª rodada do Campeonato Goiano. O confronto terminou com vitória por 1 a 0 através do gol marcado por Apodi.

Após visitar o rival Atlético-GO em clássico pela 2ª rodada do estadual, o Esmraldino volta a Serrinha para enfrentar o Anápolis, na próxima quinta-feira (16).