'Pioneiro do futebol', define adversário de Pelé na Seleção Brasileira e no Benfica

'Pelé era a arte em movimento', diz Simões (Divulgação


A saudade deixada por Pelé transcende fronteiras e deixa marcas para quem o conheceu como adversário em campo. Ídolo do Benfica e da seleção de Portugal na década de 1960, António Simões detalhou a amizade que manteve por tantas décadas com o Atleta do Século, que morreu na quinta-feira passada (29) aos 82 anos.

+ Títulos, gols, cinema, música e mais: a vida e a obra de Pelé, o Rei do Futebol

- Foi um grande amigo, um grande colega, um rei. Embora fôssemos adversários, sempre desenvolvemos uma relação de carinho e respeito pelo outro. Tivemos até momentos nos quais nos divertimos muito juntos. Minha admiração por ele ficou ainda mais forte - afirmou ao LANCE!.

Campeão da Taça dos Clubes Campeões Europeus de 1961/1962 (equivalente à Champions League) aos 18 anos, Simões recordou-se da primeira vez na qual se deparou com o "Rei" em campo.

- Houve esta ligação forte da imagem do Pelé sempre. E quando ele veio jogar pelo Santos contra o Benfica em Lisboa (na segunda e decisiva partida do Mundial Interclubes, após o Peixe ter vencido por 3 a 2 na ida) vi coisas extraordinárias! Em alguns momentos ele conseguia tabelar com o adversário. Chutava, a bola desviava em um jogador nosso e voltava para o pé dele. Perdemos por 5 a 2, mas sabíamos que tínhamos vivido um grande espetáculo. Ele disse que foi um dos melhores momentos da sua carreira. Ali eu me fascinei e percebi o quanto Pelé era extraordinário - destacou.

+ MERCADO DA BOLA: veja as movimentações do seu time de coração

Quis o destino que, quatro anos depois, Simões estivesse na seleção de Portugal que derrotou o Brasil por 3 a 1. Naquela partida, Pelé saiu de campo com fortes dores. O ex-atacante relembra o que rondou aquele duelo no Mundial da Inglaterra.

- Acho que houve uma circunstância naquela partida. Pelé jogou contra nós já lesionado devido a uma pancada que sofreu contra a Bulgária. Inclusive, ficou de fora da partida contra a Hungria. Não estava em seu melhor momento e a seleção de (Vicente) Feola vinha em uma transição e não nos conseguiu nos derrotar - e acrescentou:

- O extraordinário é que, anos mais tarde, Pelé, Tostão, Jairzinho voltaram a ser campeões. Era um grupo fascinante - constatou.

Aos seus olhos, a forma de Pelé jogar é inigualável.

- Não é à toa que é uma referência universal. Tudo que vi e ainda vejo astros fazerem em campo, Pelé foi o primeiro a fazer. Ele foi pioneiro em algumas jogadas e dribles e muitas vezes fez melhor do que todos os atletas que vimos e vemos - e frisou:

- É óbvio que Cruyff, Eusebio, Di Stefano, Puskás, atualmente Cristiano Ronaldoe Messi têm dons. Só que Pelé foi a arte em movimento, algo que exige um pensamento específico. A verdade é que daqui a cem anos as pessoas vão falar deste dom incontestável de Pelé com a bola. Um grande jogador e um grande amigo - concluiu Simões.