Philippe Coutinho é bom o suficiente para o Barcelona?

É possível que Philippe Coutinho estivesse procurando alguma desculpa para o seu desempenho, já que voltou de forma prematura de uma lesão no tornozelo para ajudar o Liverpool. 

"O golpe no tornozelo foi muito forte e no primeiro momento pensei que a temporada tinha acabado para mim. Eu estava preocupado", disse após o incidente.

Foram as palavras de um homem que sabia que estava errado e que levaria tempo para se recuperar para estar em plena forma? Parecia que sim. Mas onze semanas depois, esses comentários já não parecem justificativas, e sim um declínio de nível de Coutinho.

"Agora, não está bem, mas é normal depois de uma lesão longa. Você sempre tem que assumir diferente etapas. Falta consistências, mas já segue um bom caminho", defendeu Jurgen Klopp, técnico do Liverpool. 

Coutinho disputou a Copa América, e começou a temporada antes de seus companheiros, e em novembro o brasileiro foi considerado o melhor jogador da Premier League. No entanto, uma semana depois, o meia caiu lesionado no gramado de Anfield.

HD Jurgen Klopp Phil Coutinho

Rumores começaram a ligar o craque do Liverpool no Barcelona - ajudado inclusive por Neymar, seu amigo pessoal. Mas parecia ser apenas uma distração. Além disso, Coutinho estava ocupado tentando uma melhoria no contrato e posando ao lado de Klopp, afastando assim qualquer temor dos torcedores.

Seu retorno aos gramados foi discutido e o Liverpool iniciou uma corrida para contar com o seu jogador. Mas não podemos dizer que Coutinho foi novamente o líder que esteve no início da temporada.

Jamie Redknapp, ex-capitão do Liverpool, indicou em entrevista ao Sky Sports que "no início ele estava completamente em forma e foi o diferencia para a equipe. Mas essa magia agora não está presente e precisa recuperá-la".

VEJA TAMBÉM:
Seleção teme as 'maldições'? | As curiosidades da 'Era Tite' | Craques que não jogariam a Copa

É difícil ser contra essa afirmação, porque Coutinho está realmente abaixo nesses meses.

Há circunstâncias atenuantes como, por exemplo, a ausência de Jordan Henderson, que era o coração da equipe no meio-campo e permitiu mais liberdade para o brasileiro. No entanto, um jogador de seu talento e que se considera suficientemente bom para jogar ao lado de Neymar ou Luis Suárez, deve deixar de lado as justificativas e buscar essa consistência que o levou a estar entre os melhroes do mundo.