PF prende ex-presidente da CBDA por suspeita de desvio de verbas

Maria da Gloria Nunes defendeu o marido e ex-presidente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos

Em mais uma etapa da Operação Águas Claras, que apura desvio de verbas da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), envolvendo dirigentes e empresários, a Polícia Federal prendeu nesta quinta-feira o ex-presidente da entidade, Coaracy Nunes, e outros dois cartolas. Sérgio Ribeiro Lins de Alvarenga (diretor financeiro) e Ricardo Cabral (coordenador do polo aquático). Ricardo de Moura, superintendente da CBDA, está foragido.

As investigações apuram o destino de cerca de R$ 40 milhões repassados à CBDA. Há indícios de um esquema de desvios de recursos públicos captados por meio de convênios e leis de fomento ao esporte sem a devida aplicação - conforme previsto em lei e nos contratos assinados.

Os investigados responderão, de acordo com suas participações, pelos crimes de peculato, associação criminosa e fraude a Lei de Licitações, sem prejuízo de outros crimes eventualmente apurados no decorrer da instrução criminal.



Além das pessoas detidas pela PF, outros 16 mandados de busca e apreensão também foram cumpridos. Todas as medidas foram expedidas pela 3ª Vara Criminal Federal de São Paulo.

O advogado da CBDA, Marcelo Franklin, criticou a decisão. Ele defende que a Justiça de São Paulo não tem competência para julgar o caso, uma vez que a CBDA está localizada no Rio de Janeiro,

- A decisão que não considera que Coaracy não é mais presidente, tem 78 anos, acaba se se submeter a uma cirurgia no cérebro. Não havia necessidade de providência tão severa. As medidas legais cabíveis serão adotadas. E esse juizado não tem competência para tratar do caso - disse Franklin.

Coaracy teve seu mandato encerrado no dia 9 de março, quando o advogado Gustavo Licks foi designado pela justiça como administrador provisório da confederação. No dia 15 de março, a juíza Simone Gastesi Chevrand, da 25ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, acatou o pedido de adiamento da Assembleia Geral da CBDA feito após a indicação do medalhista olímpico Thiago Pereira como representante dos atletas, fato que gerou polêmica na comunidade aquática.

A nova data da eleição ainda não está definida. A situação tem como candidatos Sérgio Silva e Marcelo Amin, e a oposição, com a chapa "Inovação e Transparência", é encabeçada pelo presidente da Federação Aquática Paulista, Miguel Cagnoni.







E MAIS: