Pentacampeão Lúcio dá dicas a jovens zagueiros do Vasco


Receber dicas de um pentacampeão do mundo e referência na posição é um privilégio que poucos jogadores jovens têm a chance. Os zagueiros do Vasco Ricardo Graça, MIranda e Ulisses puderam viver isso, nesta quinta-feira, com o ex-craque da Seleção Brasileira Lúcio. Vascaíno declarado, ele foi o convidado surpresa de transmissão promovida pelo Youtube do clube e deu conselhos ao trio.

– As dificuldades, problemas, resultados que a gente não espera acontecem. Trabalho, perseverança e humildade são essenciais. Quando se atinge um objetivo, é preciso sonhar em ir mais longe ainda. É importante nunca achar que está no topo, porque depois do topo só tem descida. O grande segredo na minha vida foi nunca me acomodar. É preciso ter disciplina e abrir mão de algumas coisas que temos desejo porque o profissional deve pensar em coisas mais importantes. Tenho certeza que todos têm muita qualidade por estarem em um clube como o Vasco da Gama. Eu torço muito por vocês, pois desde molequinho sou Vasco, por influência do meu pai – disse Lúcio.

Aos 42 anos, o ex-zagueiro da Seleção e de grandes clubes da Europa como Bayern de Munique, Inter de Milão e Juventus é torcedor do Vasco por influência do pai. Ele revelou que ter jogado em São Januário no início da carreira pelo Internacional foi a realização de um sonho e motivo de festa na família.

Eu, meu pai e meu irmão mais novo somos vascainos. Desde quando a gente ainda jogava no campinho de terra na infância. Quando ela moleque me inspirava muito nos jogadores do Vasco da Gama. No ano de 1998 foi muito importante para mim jogar em São Januário contra o Vasco. Foi mais uma realização de um sonho. Tenho carinho pelo Internacional, clube que me revelou, mas fiquei muito feliz de jogar a primeira vez em São Januário e foi uma alegria na família. Em 2000 foi a última vez que joguei o Brasileiro e depois já me transferi para a Europa – completou o pentacampeão.






Bate papo com a base

Antes de serem surpreendidos pela presença de Lúcio, Ricardo Graça, Ulisses e Miranda tiveram uma conversa descontraída com quase uma hora de duração. Eles falaram de temas como gratidão pelo Vasco da Gama, a saudade da bola, momentos marcantes pelo clube e a expectativa de iniciar o trabalho com Ramon.

Aos 23 anos, Ricardo é o mais velho do trio já integrado ao time profissional. Desde o início do ano, vive o melhor momento da carreira, com a convocação para a Seleção Brasileira Sub-23, campeã doTorneio Pré-Olímpico disputado na Colômbia. Na vida pessoal aguarda a chegada da primeira filha.

– Estou no Vasco há 11 anos e sou muito grato por tudo que o clube fez e faz por mim até hoje. Tive um momento muito feliz de ter ido para a Seleção graças ao Vasco. Voltei e joguei um clássico contra o Fluminense como capitão. Estou muito feliz de voltar a treinar, para o quanto antes voltar a fazer o nosso trabalho e honrar essa camisa. Tenho certeza que vamos ter um ano maravilhoso. Fizemos uns trabalhos físicos e de força bem pesados. Vamos agora trabalhar forte com o Ramon para atingir nossos objetivos – disse Graça.

No Vasco desde 2017, quando foi contratado junto ao Diadema para integrar as categorias de base, Ulisses logo virou titular e um dos destaques do time do sub-20. No profissional, diz se inspirar em Castan e teve chances no início da temporada com Abel Braga e agora vive e expectativa de trabalhar com um novo treinador.

– É muito bom estar perto do Castan. É uma inspiração vê-lo treinando com tanta vontade. A paralisação foi complicada porque a gente é acostumado a estar em atividade todos os dias. Estamos fazendo um trabalho em casa e está dando para aproveitar com a família, com quem não ficava muito junto
desde os 17 anos. Vai ser muito bom trabalhar com o Ramon. Ele ajuda bastante a gente – disse Ulisses.

Miranda, que ficou marcado por ter sido vítima de injúria racial durante um jogo da Copa RS, estreou em 2018 pelo profissional, é tido como uma das grandes promessas na zaga. Ele lembrou a trajetória no Vasco e da alegria de ver os colegas de base conquistando espaço no time principal.

– Cheguei em 2006 no futsal. Estudei no Vasco, conheci muita gente e agradeço tudo que o clube fez e tem feito por mim. Esperto que esse relacionamento dure ainda mais. Fico muito feliz de ver a rapaziada chegando no time profissional. É sempre muito gratificante ver os nossos amigos atingindo objetivos. Vamos aprendendo com os jogadores mais experientes , com a competição sadia. Cada um tenta dar o melhor de si para fazer um Vasco melhor – afirmou Miranda.















Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também