Pelé teve Covid-19 e outras duas alterações importantes antes de ser internado, diz site

Pelé segue internado no Hospital Albert Einstein (Foto: reprodução/reprodução)


Pelé teve Covid-19 e apresentava frequência cardíaca baixa antes de ser internado na última terça-feira. As duas complicações mais o quadro de anasarca, inchaço generalizado, fizeram o rei do futebol, aos 82 anos, ser levado às pressas para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo. As informações são da "ESPN".

+ Pelé internado: entenda o quadro de saúde atual do 'Rei do Futebol'


O Rei do Futebol vive luta contra um tumor no cólon (intestino), identificado em setembro de 2021. Desde então, Pelé segue sob tratamento, mas a doença acabou alcançando outros órgãos do corpo. No último sábado, o jornal Folha de São Paulo divulgou que o ex-jogador já não respondia mais a quimioterapia e entrou em cuidados paliativos.

Os tratamentos em questão são utilizados quando o paciente não reage aos procedimentos comuns em doenças consideradas progressivas e letais. A medida visa amenizar dores e o desconforto com a falta de ar que acomete o Rei do Futebol.

Pelé teve Covid-19 confirmada um pouco antes do dia 17 de novembro. Na época, o ex-jogador foi medicado com remédios específicos para controlar a febre e a dor. A baixa frequência, tecnicamente chamada de bradiarritmia ou bradicardia, acontece quando o coração trabalha em ritmo baixo.

No caso do Rei, os batimentos por minuto alcançaram 40 e 45 bpm nas vésperas da internação. Vale lembrar, que a partir dos 60 bpm, os médicos já consideram como um batimento baixo para o coração. Além disso, ele também teve ronco pulmonar, fator que foi confirmado pela equipe médica em exames realizados na quarta-feira.

Confira o último boletim na íntegra abaixo, divulgado no sábado:

+ Torcidas organizadas do Santos fazem vigília por Pelé na porta de hospital

"Edson Arantes do Nascimento foi internado no Hospital Israelita Albert Einstein na última terça-feira (29) para uma reavaliação da terapia quimioterápica do tumor de cólon, identificado em setembro de 2021. Ele segue em tratamento e o estado de saúde continua estável. Tem tido boa resposta também aos cuidados na infecção respiratória, não apresentando nenhuma piora no quadro nas últimas 24h"