Pelé foi de estrela a deus do futebol na Copa de 1970

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Pelé já era o Rei, mas, em matéria de Copa do Mundo, a bem da verdade, tinha mesmo só uma, a de 1958, quando o moleque entrou no terceiro jogo e pintou e bordou na Suécia.

Quatro anos depois, no Chile, machucou-se no segundo jogo e foi substituído por Amarildo. Em 1966, foi coadjuvante do fiasco nacional, no Mundial que a Inglaterra venceu e em que Eusébio brilhou.

Em 1970, com 29 anos, o melhor do mundo tinha a chance de —vai o clichê— fechar com chave de ouro sua carreira com a camisa amarela. E foi o que aconteceu.

Decisivo nas Eliminatórias, Pelé passou por um momento conturbado com o técnico João Saldanha. Manifestou seu descontentamento com o esquema do time, um 4-2-4, só com Piazza e Gerson no meio. O treinador disse que ele estava "cego", baseado num exame que tinha detectado uma leve miopia.

Saldanha saiu, Zagallo assumiu, o esquema mudou, mas seleção deixou o Brasil sob vaias. Logo elas seriam trocadas por gritos de gol e festa nas ruas.

Já na estreia contra a Tchecoslováquia, depois de levar um preocupante 1 a 0, o time virou para 4 a 1.

Pelé fez um gol de craque, matando no peito um longo lançamento de Gerson. E deixou o mundo boquiaberto ao tentar fazer um gol do meio de campo, apanhando o goleiro adiantado —um lance que depois outros jogadores menos inspirados conseguiriam concluir com sucesso.

Foi o primeiro de quatro "quase gols" inesquecíveis do Rei naquela Copa.

Outros dois vieram na partida contra o Uruguai, quando ele rebateu de primeira uma bola mal respondida por Mazurkiewicz. Depois, ainda aplicou aquela finta desconcertante no grande goleiro da Celeste e chutou para fora, rente à trave.

O quarto foi a incrível cabeçada de cima para baixo no duríssimo confronto com os ingleses, então campeões do mundo, que propiciou ao goleiro Gordon Banks uma defesa antológica.

Se não conseguiu marcar nesses quatro lances maravilhosos, o eterno camisa 10 do Brasil colocou a bola no barbante também em quatro ocasiões —a mais marcante delas na cabeçada fulminante na final contra a Itália, que abriu o placar de 4 a 1.

Dos pés do craque também saíram duas preciosas assistências para companheiros: na primorosa jogada que resultou no gol de Jairzinho contra a Inglaterra, na qual Tostão nos brindou com um drible desconcertante sobre um rival; e no gol de Carlos Alberto que encerrou as pretensões italianas.

Naquele time que muitos consideram o melhor de todos os tempos, foi Pelé a grande estrela. Se ele já era um mito, deixou os gramados do México como um deus do futebol.