Família quer pedir aposentadoria da camisa 10 ao Santos como homenagem ao Rei Pelé

Mandatário do Peixe bateu o martelo: camisa 10 continuará sendo usada pelo clube (Foto: Reprodução)


A família de Edson Arantes do Nascimento, o Rei Pelé, falecido aos 82 anos, quer formalizar ao Santos o pedido para que a camisa 10 do clube, imortalizada pelo maior jogador de todos os tempos, seja aposentada. O LANCE! apurou que um pedido inicial foi feito pelas filhas de Pelé ao presidente do clube, Andrés Rueda, em contato telefônico do dirigente para confortar a família pela morte.

A intenção já era ventilada por Rueda, que admitiu essa possibilidade, no ano passado, em entrevista ao canal 'De Placa', no 'YouTube'. Agora, após o falecimento, a discussão deve ser retomada e concretizada em breve.

+ Pelé em outros campos: lembre a novela que o Rei do Futebol protagonizou

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

De acordo com informações obtidas durante a entrevista citada acima, alguns dos associados já tinham feito o pedido para que o número que marcou a carreira do jogador fosse excluído permanentemente da relação das camisas do Santos. Entretanto, o mandatário deixou claro que a decisão precisa ser majoritária dos associados do Peixe.

- Aposentar a camisa 10, não vou mentir, já pensamos várias vezes. Mas tem a nossa torcida, sócios estão divididos. Uns pensam que a grande homenagem é eternizar a 10; outros, que tem que tirar. Ainda estamos cautelosos sobre a decisão. Tenho minha opinião como torcedor, mas, como presidente, eu tenho que saber que tem que ser uma homenagem que a maioria da torcida deve faze - afirmou Rueda, na ocasião.

Pelé tem ao todo 1.091 gols em 1.116 jogos com a camisa santista, entre 1954 e 1974. É o recordista absoluto na história do clube.

COMO ACONTECEU

Pelé começou em 31 de agosto de 2021 o jogo da sua vida contra o câncer. Foi nesta data que o maior ídolo do futebol mundial teve diagnosticado um tumor no cólon (intestino grosso) durante exames de rotina. Os procedimentos deveriam ter sido feitos pelo Rei no ano anterior, mas foram adiados por conta da pandemia da Covid-19.

Exatos quatro dias depois, Pelé passou por cirurgia no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, para retirar o tumor. Durante a internação, ele foi levado algumas vezes para a UTI por, segundo boletim divulgado à época, 'instabilidade respiratória'. Pelé iniciou as sessões de quimioterapia logo após a cirurgia.

O ídolo voltou a ficar internado por 15 dias em dezembro, para realizar mais sessões de quimioterapia. Recebeu alta no dia 23 e festejou o fato nas redes sociais. 'Como eu havia lhes prometido, vou passar o Natal com a minha família. Estou voltando para casa', escreveu.

O Rei voltou a sofrer complicações em fevereiro deste ano, quando passou um tempo a mais internado durante nova sessão de quimioterapia por conta de uma infecção urinária. Além do câncer, Pelé sofre com sequelas de três cirurgias realizadas nos últimos anos. Colocou uma prótese no quadril e precisou passar por mais duas operações para correção. Desde então, com dores crônicas principalmente nos joelhos, ele passou e ter dificuldades de locomoção.