Ex-Grêmio, Pedro Rocha se diz insatisfeito na Rússia e agente negocia volta ao Brasil até quinta-feira

Yahoo Esportes
Pedro Rocha em ação pelo Spartak Moscou contra o FC Amkar Perm, pelo Campeonato Russo (Epsilon/Getty Images)
Pedro Rocha em ação pelo Spartak Moscou contra o FC Amkar Perm, pelo Campeonato Russo (Epsilon/Getty Images)

Por Fábio Paine

O atacante Pedro Rocha, destaque do Grêmio na conquista da Copa do Brasil de 2016, pode acertar até quinta-feira (4) seu retorno ao futebol brasileiro. Neste dia se fechará a janela para transferências internacionais.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

O atleta de 24 anos, que atualmente defende o Spartak de Moscou, não está satisfeito na Rússia e seu empresário Hamilton Bernard já está em contato com clubes brasileiros para tentar concluir uma negociação.

Como Pedro tem contrato com o Spartak até metade de 2020, o que se busca no momento é a melhor forma de negócio, uma vez que a agremiação desembolsou 12 milhões de euros para contratá-lo há dois anos.

“Quem está cuidando de tudo é meu empresário. Passei para ele que não estava feliz com minha situação aqui na Rússia, onde não venho sendo aproveitado e não venho tendo oportunidades. Ele está correndo atrás para ver se consegue resolver a situação até dia 4. Eu estou esperando”, afirmou Pedro Rocha em entrevista exclusiva ao Yahoo Esportes.

Na semana passada em contato com o jornal russo Sport Express, o empresário já deixava claro que havia negociações em andamento. A publicação, inclusive, colocava São Paulo, Atlético-MG e Cruzeiro como equipes interessadas. A reportagem apurou que há o interesse destes clubes.

Ao Yahoo Esportes, Pedro não quis comentar especificamente sobre nenhum clube, mas revelou que recebeu mensagens de diversos torcedores gremistas pedindo seu retorno ao clube que defendeu entre 2015 e 2017 e anotou 14 gols em 77 partidas.

“Claro que existe todo o carinho dos torcedores do Grêmio pela minha história no clube o que fiz lá. E tenho muito respeito pelo clube e fico feliz que gostem de mim. Mas eu sou um jogador profissional e não tenho nenhuma preferência. Por isso deixo o meu empresário cuidar da negociação”, disse o atacante.

“Estamos trabalhando em algo que seja bom para mim e para o clube. Por isso meu empresário está cuidando de tudo e espero que as coisas se resolvam rapidamente. Mas no momento acho que estou mais perto de sair”, contou o jogador.

Ele revelou também que ao fim do ano passado recebeu diversas sondagens de clubes do país, mas optou em ficar na Rússia após uma conversa com o técnico Oleg Kononov, que disse que lhe daria oportunidades.

Pedro Rocha não tem sido mais aproveitado no Spartak (PAUL ELLIS/AFP/Getty Images)
Pedro Rocha não tem sido mais aproveitado no Spartak (PAUL ELLIS/AFP/Getty Images)

Entretanto, isso acabou não acontecendo. Desde o fim da pausa de inverno, em março, o Spartak fez cinco jogos e ele atou por apenas 25 minutos em duelo contra o Ural pela Copa da Rússia, no qual seu time acabou eliminado após derrota por 1 a 0.

“Falei com ele (Kononov) e ele disse que gostava do meu futebol, que pretendia me dar mais chances e para eu seguir trabalhando como vinha fazendo. Mas infelizmente isso não aconteceu”.

“É muito ruim para um jogador ficar sem jogar, não ter oportunidade. Eu não estou feliz. Eu conversei com ele (Kononov) há pouco tempo e expliquei isso. Ele entendeu e disse que eu poderia falar com a diretoria e resolver a situação”, afirmou o jogador.

Desde que chegou ao Spartak na metade de 2017, Pedro Rocha atuou em apenas 19 jogos, com um gol e duas assistências.

Apesar das poucas oportunidades, o atleta nunca se queixou publicamente e sempre esteve se dedicando nos treinamentos com o clube moscovita. Também jamais teve algum tipo de problema disciplinar e leva uma vida bem reservada na Rússia ao lado da esposa e da filha, que nasceu há cinco meses.

Mais no Yahoo Esportes:

Ex-atacante do São Paulo está na mira do Corinthians

É claro que o Palmeiras tem Mundial’, diz Leila Pereira

Everton, do Grêmio, deve receber proposta tentadora

Carille analisa vitória: ‘Time que cresce em clássicos’

Leia também