Pedro brinca com Léo Santos após gol: “Aquela bola era para mim”

O Corinthians se reapresentou na manhã desta segunda-feira, no CT do Parque Ecológico, num dia de festa para o garoto Léo Santos, autor do gol da equipe no empate por 1 a 1 com a Ponte Preta. Bastante animado com o seu primeiro tento pela equipe profissional apenas no segundo jogo com a camisa do Timão, o jovem de 18 anos foi bastante celebrado, mas teve de ouvir uma “reclamação” de Pedro Henrique, outro atleta da base e sua dupla de zaga naquela partida.

“Até brincamos no vestiário porque o Jô rolou para mim, eu estava de frente. O Léo (Santos) atravessou e, graças a Deus, ele foi feliz na finalização dele (risos)”, disse o defensor, que assegurou não ter do que reclamar do lance pelo fato de a bola ter balançado a rede. “Ele fez o gol e ajudou a gente a conquistar um ponto muito importante”, continuou.

Na ocasião, Rodriguinho jogou a bola para dentro da área da Ponte e Léo Santos conseguiu ganhar a disputa com o lateral adversário. A bola, então, ficou nos pés de Jô, que protegeu da chegada do zagueiro e rolou para trás, local em que estavam o destro Pedro Henrique, pronto para chutar com o pé direito, e o também destro Léo, que conseguiu ajeitar para a esquerda e chutar no canto de Aranha.

“O Pedro Henrique diz que o passe foi para ele, mas quem estava na jogada era eu. A bola estava de frente para o gol, eu não ia deixar para ele. Não podia deixar aquela bola passar”, respondeu o jovem de 18 anos, também em tom de brincadeira, exaltando a qualidade ofensiva apresentada por ele.

“Ali foi um gol consciente, o Jô rolou para mim, eu ajeitei e bati tirando. Às vezes, em campo reduzido, eu procuro caprichar, finalizar com qualidade. Também quero fazer finalização com os atacantes, às vezes fujo um pouco dos trabalhos de zagueiros. Tenho de me preparar para todas as situações, porque pode acontecer de tudo. Sobrou aquela bola lá, e pude guardar”, comentou Léo, que chegou ao clube como meia.

“Quando cheguei no Corinthians, fui aprovado como meia. Cheguei a jogar algumas competições na meia, mas acabei recuando para zagueiro. Tenho condições de fazer outras funções, volante, lateral, por mim não tem problema. Importante é estar jogando”, concluiu a revelação corintiana.