Paulo Guedes pode ser convocado à Câmara para explicar 'parasita'

Yahoo Finanças
Foto: OLIVIER DOULIERY/AFP via Getty Images
Foto: OLIVIER DOULIERY/AFP via Getty Images

O ministro da Economia, Paulo Guedes, pode ser convocado à Câmara dos deputados para se explicar após ter comparado funcionários públicos a “parasitas”, na semana passada. Guedes pediu desculpas pela fala na última segunda-feira (10).

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

INSTALE O APP DO YAHOO FINANÇAS (ANDROID / iOS)

O deputado Professor Israel Batista (PV-DF) protocolou um requerimento para convocar o ministro à Câmara nesta semana. “A falta de respeito e de conhecimento sobre os servidores públicos do Brasil não pode ser admitida por esta Casa”, disse o parlamentar ao jornal O Estado de S. Paulo.

Leia também

Durante uma palestra num evento promovido pela Fundação Getulio Vargas (FGV) na última sexta (8), Guedes defendeu o projeto de emergência fiscal criticando reajustes automáticos de salário a funcionários públicos de estados em situação financeira grave.

"O funcionalismo teve aumento de 50% acima da inflação, além de ter estabilidade na carreira e aposentadoria generosa", afirmou. "O hospedeiro está morrendo, o cara virou um parasita", afirmou Guedes na ocasião.

O comentário não caiu bem. Uma das entidades a reagir foi o Sindilegis (sindicato dos servidores da Câmara, Senado e Tribunal de Contas da União), que emitiu uma nota de repúdio dizendo que “parasita é o sistema financeiro protegido por Guedes”.

Após a repercussão, Guedes se explicou dizendo que a fala havia sido tirada de contexto. Na segunda, ele pediu desculpas. "Eu me expressei muito mal, e peço desculpas não só a meus queridos familiares e amigos mas a todos os exemplares funcionários públicos a quem descuidadamente eu possa ter ofendido", declarou o ministro em nota.

Para o deputado Israel Batista, que protocolou o pedido de convocação de Guedes, a fala, além de configurar “grave ofensa a todos os 12 milhões de servidores públicos brasileiros”, atenta contra o decoro do cargo de ministro de Estado.

Além disso, o Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Estado de São Paulo (Sintrajud) apresentou ao Ministério Público Federal uma representação contra o ministro pedindo apuração de sua conduta.

Leia também