Patrocinadores, estimativa milionária no Carioca e mais: VP do Flamengo fala sobre projeções financeiras do clube

Antonio Mota
·5 minuto de leitura

Em meio aos problemas (financeiros, logísticos etc.) causados pela pandemia do novo coronavírus, o Flamengo tem buscado formas de continuar trazendo receitas para os cofres da agremiação, em especial nas pastas de televisão e marketing. Procurado pelo UOL Esporte, Gustavo Oliveira, vice-presidente de Comunicação e Marketing do clube, comentou sobre os trabalhos da equipe e revelou uma estimativa financeira do time para o Campeonato Carioca.

Em declaração, o dirigente ressaltou que o grande desafio em relação à TV é desenvolver um novo modelo no Estadual para ganhar dinheiro com direitos de transmissão. Já em relação ao patrocínio, o cartola explicou que o objetivo é preencher novamente espaços na camisa e bater a meta prevista para o item no orçamento.

Flamengo espera lucrar quase R$ 150 milhões em patrocínios em 2021. | Buda Mendes/Getty Images
Flamengo espera lucrar quase R$ 150 milhões em patrocínios em 2021. | Buda Mendes/Getty Images

Além disso, Gustavo Oliveira revelou que a estimativa é que o Flamengo embolse R$ 10 milhões com o Cariocão 2021, sobretudo com base na arrecadação do pay-per-view – mesmo com os problemas encontrados nesta primeira temporada. O VP destacou ainda que é essencial que o clube desenvolva um modelo alternativo de televisão menos centrado na Globo.

Em termos de patrocínio, o dirigente falou que existem negociações em curso para as costas e manga da camisa do Flamengo. Além disso, ele contou que há uma parceria para o calção bem próximo de ser anunciada. O VP também garantiu que o Rubro-Negro não vai reduzir os preços em suas tratativas com patrocinadores.

Em 2021, o Flamengo estima lucrar um total de R$ 148 milhões em patrocínios, em uma conta que engloba fornecedores, FlaTV etc. Ao término das negociações em andamento, o VP prevê que o Rubro-Negro vá ganhar apenas com o uniforme um valor próximo ao que a Crefisa paga ao Palmeiras – cerca de R$ 81 milhões.

Trechos da entrevista de Gustavo Oliveira ao UOL Esporte

Por que a opção por esse novo modelo de negociação de direitos do Carioca em vez do tradicional com venda total para a Globo?

Gustavo Oliveira: "Não é só uma opção da Ferj, do Flamengo. É o futuro. Temos visto o resultado fora do país. Não temos mais uma empresa que domine todos os meios. Acontece ainda no Brasil. Gosto sempre de falar, nada contra a Globo que é o maior parceiro comercial do Flamengo e do Brasileiro. Mas a gente precisa trazer novos players para o nosso mercado. Traz para a relação dos clubes, trouxe a Record, o Facebook, as teles em um contato direto conosco. Entram outros players importantes para nosso mercado. É um fatiamento mais difícil de fazer. Abre para outras empresas. É o processo que acontece fora do país. No Brasileiro, será um modelo diferente do que está acontecendo. Foi um sucesso no Carioca. Com todas as dificuldades do pioneirismo. Decidimos pelo modelo menos de 15 dias antes de começar o campeonato. Teve pouco tempo para patrocinadores, de acertar melhor os detalhes".

Como estão até agora os números de venda da FlaTV+?

Gustavo Oliveira: "Não vou falar números. Estou muito satisfeito com a FlaTV+. Continuo a ter a FlaTV que vai virar a segunda do mundo: deve passar o Real Madrid neste semestre se tudo correr bem. Vai continuar gratuita. Tem treinos, programas de entrevistas e o jogo do Carioca em áudio, FlaTV normal. É monetizada por meio de patrocinadores. Isso é uma coisa. Vai continuar a ser como se fosse a Rede Globo. FlaTV+ tem como base o assinante, a monetização é o assinante e não o patrocinador. FlaTV normal se paga totalmente, e ela dá um lucro do dobro do custo dela. FlaTV+ era para começar com esquema de assinante do Flamengo. A torcida assinaria pagando R$ 10, R$ 15 e teria tudo que tem e algumas entrevistas exclusivas, programa exclusivo, um treino inteiro. Isso é um projeto que a gente vai inaugurar final de abril e começo de maio. Abriu-se uma possibilidade do campeonato Carioca em seu PPV. Foi aí que a FlaTV+ começou, com o lançamento do Carioca. Ela não se encerra com o Carioca, mas não posso transmitir as outras competições. No Carioca, vou ganhar mais do que na venda com as teles. O modelo das teles deixa mais ou menos em torno de 50%. Isso é uma diferença. Eram R$ 18 milhões pelo contrato da Globo (no Carioca). A FlaTV+ dá 100% para o clube. É complementar às teles. Disputa em algum sentido entre o PPV das teles e dos clubes. Um cara não tenha uma SKY. Se quiser tiver o PPV, ele pode ter via clube em uma OTT. "Está elitizando", dizem. De certa forma, não. Globo não transmitia todos os jogos, Record também passa só alguns. Tem a venda pelas teles. Agora tem os clubes vendendo".

Será um negócio melhor para os clubes em relação ao contrato anterior em termos de valores?



Gustavo Oliveira: "Não acredito que esse modelo daria a curto prazo mais dinheiro. Mas não sei se o modelo dos R$ 18 milhões dos clubes ia continuar. "O Flamengo quebrou o modelo", dizem. Não quebrou o modelo, deixou de assinar um contrato novo. Em 2020, a gente não entrou. A Globo podia ter continuado com os outros clubes. Não sei se continuaria. A Globo ofereceu R$ 45 milhões para este Carioca. O que daria para o Flamengo R$ 6 milhões. Isso a gente vai passar em muito com o modelo atual. O todo deve dar mais de R$ 10 milhões. Tem a venda da Record que não é muito dinheiro, mas que foi importante. Tem a venda de patrocínio, naming rights, que foram prejudicados pela pandemia. Foram prejudicados também pela falta de tempo".

A entrevista completa de Gustavo Oliveira você pode ler no UOL Esporte.

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique aqui.