Paris-2024 também sofre as consequências da crise da COVID-19

Por Andréa BAMBINO
AFP
Logotipo dos Jogos Olímpicos de Paris-2024, fotografado perto da Torre Eiffel em 14 de maio de 2017
Logotipo dos Jogos Olímpicos de Paris-2024, fotografado perto da Torre Eiffel em 14 de maio de 2017

Sem ter como usar como referência os Jogos de Tóquio, adiados para o próximo ano, e diante de uma crise econômica e de saúde, os organizadores das Olimpíadas de Paris em 2024 veem os problemas se acumularem, entre restrições orçamentárias e o risco de promessas não cumpridas.

"Teremos dias melhores, é verdade", resumiu a situação, em 28 de junho, o presidente do Comitê Olímpico Francês (CNOSF), Denis Masseglia.

Perante a assembleia geral do CNOSF, o dirigente admitiu que "as perspectivas não são boas para Tony (Estanguet, presidente do comitê organizador Paris-2024, Cojo) e suas equipes", entre "crise da saúde", "adiamento de Jogos de Tóquio"e "a preocupação com a recuperação econômica quando houver eventualmente uma segunda onda de pandemia".

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Quatro anos após a cerimônia de abertura, o tricampeão olímpico de canoagem se recusa a ceder ao pessimismo: "Este projeto oferece a possibilidade de mostrar uma França entusiasmada, que vai acolher o mundo", com "5 bilhões de euros" (quase 5,8 bilhões de dólares) em jogo, disse Estanguet na terça-feira, durante a apresentação do 'Club Paris-2024', uma plataforma projetada para atrair o público em geral para os Jogos.

- Mais caro? -

Mas a realidade está aí. Por um lado, o Cojo, responsável pela organização das mais de 300 provas, das cerimônias e das instalações provisórias, deve fazer cortes no orçamento, uma vez que as contribuições dos patrocinadores serão inferiores ao planejado.

A organização havia estabelecido uma receita com patrocínios de 1,1 bilhão de euros (1,275 bilhão de dólares), com um orçamento total de 3,8 bilhões de euros (4,4 bilhões de dólares).

"Sabemos que era um objetivo bastante prudente. Hoje, é realmente um objetivo ambicioso que precisará de luta para alcançá-lo", reconhece Estanguet, que calcula que "entre 30 e 40% do objetivo" já foi alcançado.

Por outro lado, a SOLIDEO, a entidade pública responsável pelas grandes obras que começarão em 2021, como a Vila Olímpica de Saint-Denis (na periferia do norte de Paris), onde ficarão os 10.500 atletas dos Jogos, também teme uma elevação dos gastos, principalmente pelo aumento dos custos de construção.

O projeto final do centro aquático, a ser construído em frente ao Stade de France, já havia passado de 113 milhões de abril para 174,7 euros (de 131 a 200 milhões de dólares).

Com Paris-2024, a história das últimas edições será repetida, na qual os orçamentos iniciais dispararam?

Sob anonimato, um dos envolvidos no projeto resumiu a equação: "Ou o orçamento é aumentado" pelo SOLIDEO, que é de 3 bilhões de euros (quase 3,5 bilhões de dólares), metade dos quais vindos dos cofres públicos" ou teremos que reduzir os projetos ".

- Desistir das sedes -

Parece que faz muito tempo, quando, no final de dezembro de 2019, o Cojo anunciou, com grande entusiasmo, dois locais adicionais: um para surfe no Taiti, na "onda mais bonita do mundo" de Teahupo'o e o outro em a prestigiada Place de la Concorde, em Paris, para esportes 'urbanos' (escalada, basquete 3x3, BMX freestyle, breakdance e skate).

Apenas meio ano depois, todo o projeto está sendo revisado e talvez alguns dos locais eventualmente desapareçam, retomando a ideia já lançada por Estanguet em 2018, após um primeiro alerta devido ao aumento de custos, para criar locais que possam ser compartilhados.

Embora as primeiras respostas não sejam conhecidas até depois o fim do terceiro trimestre deste ano, pode ser o caso da sede de Le Bourget, na periferia parisiense, onde estão planejados eventos de tiro, vôlei, bem como o centro de imprensa e a 'vila' da mídia, que se tornará um bairro residencial após o evento, como a Vila Olímpica. Estanguet já levantou dúvidas de que as obras de extensão das linhas 16 e 17 do metrô, que devem atender a essa área, sejam realizadas dentro do prazo.

A 'vila' da mídia também não parece uma prioridade para a organização.

As negociações parecem difíceis com os representantes eleitos de Seine-Saint-Denis, uma área degradada a qual foi prometida uma reforma como herança dos Jogos

Leia também