Paralimpíadas têm primeiro ouro do Brasil e outras 3 medalhas na natação

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A delegação brasileira confirmou as boas perspectivas para o primeiro dia de disputas nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, nesta quarta-feira (25).

Os principais destaques ficaram por conta das quatro medalhas na natação e da boa estreia no goalball masculino.

Natação Gabriel Bandeira, 21, conquistou o primeiro ouro do Brasil em Tóquio. Ele bateu na frente nos 100 m borboleta classe S14 (deficiência intelectual), com direito a recorde paralímpico de 54s76.

Bandeira é um fenômeno recente do esporte paralímpico. O paulista de Indaiatuba, que competia na natação convencional desde os 11 anos e participou de grandes competições nacionais, teve uma deficiência intelectual constatada e migrou para o paradesporto no começo de 2020. Ele terá outras cinco chances de medalha em Tóquio.

O primeiro a subir no pódio foi seu xará Gabriel Araújo Geraldo, 19. Ele ficou com a prata nos 100 m costas classe S2 -o número varia de 1 a 10 para deficiências físicas; quanto menor, maior o comprometimento motor do atleta. Veja explicação detalhada das classes aqui.

O mineiro de Santa Luzia liderou uma boa parte da prova, virando na frente nos primeiros 50 metros, mas foi ultrapassado pelo chileno Alberto Abarza, que terminou com o ouro. Abarza cumprimentou Araújo com um beijo na cabeça.

Depois dos novatos, foi a vez de os experientes brilharem. Phelipe Rodrigues, 31, conquistou o bronze nos 50 m livre classe S10.

O atleta do Recife já participou de outras três Paralimpíadas, com um histórico de outras 5 pratas e 2 bronzes. Em Mundiais, ele ganhou 3 ouros, 8 pratas e 4 bronzes.

"É difícil falar. Claro que o ouro paralímpico é o que faltava [na carreira]. Mas o último ano foi muito difícil. Não só para mim. Para todo mundo. Até me emociono", afirmou ao SporTV.

Para encerrar, Daniel Dias ampliou sua coleção de medalhas com a 25ª da carreira. Ele, que vai se aposentar após os Jogos de Tóquio, conquistou o bronze nos 200 m livre classe S5.

Dias, que nasceu com má-formação dos membros superiores e na perna direita, irá nadar outras cinco provas da categoria S5. Seu último ato, nos 50 m livre, está programado para as 7h29 do dia 1º de setembro.

"É aquela coisa, preciso saber dosar bem a energia. A gente treinou muito para desempenhar o meu melhor. Agora como estratégia, preciso de muita conversa prova a prova", destacou o nadador nascido em Campinas, em entrevista ao SporTV.

Goalball A seleção brasileira masculina estreou com vitória no goalball. Os brasileiros venceram a partida contra os lituanos com tranquilidade: 11 a 2. A Lituânia é a atual campeã paralímpica, enquanto o Brasil é bicampeão mundial e foi medalhista de bronze no Rio-2016.

A seleção entrou em quadra com Josemarcio Sousa (o Parazinho), Leomon Moreno e Romário Marques como titulares.

"Desde 2016, a Lituânia está entalada porque perdemos para eles dentro de casa. Trabalhamos cinco anos muito forte para que essa estreia fosse como uma final para nós. A gente se preparou muito bem mentalmente, sabendo que tem uma torcida muito grande acompanhando o goalball", disse Parazinho. O maior pontuador da partida foi Romário, com quatro gols marcados.

O próximo jogo será na quinta-feira (26), à 1h15, contra os EUA, medalha de prata no Rio. Japão e Argélia completam o grupo.

A seleção brasileira feminina foi derrotada na estreia contra os Estados Unidos, por 6 a 4.

O Brasil busca sua primeira medalha nos Jogos, enquanto as americanas levaram o bronze em 2016. As outras adversárias da chave são Turquia, atual campeã olímpica, Egito e Japão. Quatro países se classificam. O próximo jogo será diante das japonesas, às 22h30 de quinta-feira (25).

Tênis de mesa Os brasileiros não foram bem na rodada da manhã desta quarta-feira (25): apenas duas vitórias em sete jogos.

Israel Stroh venceu o japonês Masachika Inoue na classe 7 (para atletas andantes) por 3 sets a 2 (13/11, 5/11, 9/11, 11/7 e 11/9). O jogo valeu pelo Grupo E da competição.

Já no Grupo A da classe 9 (atletas andantes) Daniele Rauen bateu a turca Neslihan Kavas por 3 sets a 0 (11/3, 11/8 e 11/9).

Uma das derrotas do Brasil aconteceu por WO. Welder Knaf perdeu para o chinês Zhao Ping. O brasileiro, da classe 3 (atletas cadeirantes), tinha sido suspenso preventivamente por doping em exame fora de competição realizado em fevereiro. A punição havia sido comunicada à CBTM (Confederação Brasileira de Tênis de Mesa) na semana passada. O atleta já deixou o Japão.

Na rodada da noite de terça, o Brasil teve outras duas vitórias: Cátia Cristina (classe 2) bateu a finlandesa Aino Tapola por 3 sets a 1, enquanto David Andrade (classe 3), por WO, derrotou o sueco Alexander Oehgren.

Ciclismo Ana Raquel Montenegro Batista Lins, da classe C5 (para competidores com deficiência físico-motora e amputados), terminou na nona colocação na prova dos 3.000 m.

Esgrima Vanderson Chaves e Mônica Santos estrearam em Tóquio no sabre, categoria B (para atletas com menos mobilidade no tronco e equilíbrio), e foram eliminados sem vitórias.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos