Para repetir a história! Há 38 anos, o Flamengo conquistava a Libertadores

Luiza Sà e Matheus Dantas
LANCE!
Há exatos 38 anos, Zico comandou o Flamengo na conquista da América (Foto: Divulgação/Flamengo)
Há exatos 38 anos, Zico comandou o Flamengo na conquista da América (Foto: Divulgação/Flamengo)


O Flamengo de 1981 deixou a marca na história. Campeão da Libertadores e do Mundial de Clubes naquele ano, o time liderado por Zico celebra, neste sábado, os 38 anos da conquista do título continental. No entanto, nesta tarde, as atenções estão voltadas novamente para o Fla, mas o de 2019. No Estádio Monumental de Lima, no Peru, será a vez do time do técnico Jorge Jesus tentar colocar o nome entre os vencedores. O confronto contra o River Plate (ARG) será às 17h (de Brasília), e terá transmissão em tempo real do LANCE!.

Em momentos decisivos, é comum que a torcida procure por semelhanças nos momentos vencedores do clube. E a a principal coincidência nesse caso está no calendário. Em 81, Flamengo e Cobreloa (CHI) fizeram o terceiro jogo da final também no dia 23 de novembro. Cada uma das equipes venceu jogando em casa e a decisão em campo neutro ficou para o Estádio Centenário, em Montevidéu (URU). Com dois gols de Zico, a taça foi para a Gávea pela primeira vez. Neste sábado, porém, o duelo será em Lima.

> Confira estatísticas e dados da Libertadores



Antes disso, na fase de grupos, o Fla ficou na chave de Atlético-MG, Olímpia (PAR) e Cerro Porteño (PAR). Assim como em 2019, quando os cariocas e a LDU (EQU) terminaram com 10 pontos cada no Grupo D, aquele time também acabou empatado em pontos com o segundo colocado. Entretanto, em 1981 foi preciso um jogo extra contra Atlético para decidir a classificação à fase seguinte.

A outra semelhança está no que pode ser o adversário do Mundial de Clubes. Campeão da Champions League, o Liverpool agora aguarda o vencedor da Libertadores. Trinta e oito anos atrás, o Rubro-Negro bateu a equipe inglesa por 3 a 0 em Tóquio, no Japão.

Para os rubro-negros que acreditam em superstições, mais uma coincidência pode ser destacada. O goleiro Diego Alves vai enfrentar o River Plate com um uniforme amarelo, a mesma cor utilizada por Raul na Libertadores em 1981. O restante dos jogadores utilizará a tradicional camisa vermelha e preta, também como aconteceu naquela época.

Com semelhanças ou não, o Flamengo entra em campo na tarde deste sábado com a missão de deixar para trás as frustrações anteriores e, enfim, chegar ao topo da América.






Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também