Paludo após hexa da Porsche: “Finalmente posso dizer que venci o campeonato”

Guto Mauad
·3 minuto de leitura

A temporada de Miguel Paludo na Porsche Carrera Cup Sprint terminou de maneira espetacular, vitória em Interlagos e quebra de recordes. O piloto conquistou o hexacampeonato neste final de semana, venceu a última prova do campeonato e de quebra se tornou o maior vencedor da categoria no traçado paulista, com 17 triunfos.

Após vencer pela quinta vez na temporada, Paludo falou ao Motorsport.com sobre a felicidade de conquistar mais um título na Porsche Cup.

Leia também:

Porsche Cup: Rodrigo Mello, bicampeão da Carrera Sport, faz balanço da temporada 2020 Após disputas em Interlagos neste sábado, títulos da Sprint foram definidos; confira classificação final do campeonato Porsche: Paludo vence após hexa e bate recorde de vitórias em Interlagos; Mello é campeão da Sport

“Agora finalmente eu posso dizer que venci o campeonato e coloco essa vitória junto com esse título, do mesmo nível. Estava engasgado, desde Goiânia não conseguia mostrar nossa performance".

"E apesar de fazer pole, tira tudo isso de lado, eu tinha certeza que nosso ritmo era para ganhar corrida e hoje foi a vitória no seco, com carro emprestado e que eu não dei uma volta até abertura de box.”

“Queria agradecer ao Adalberto Baptista por ter me emprestado o carro sem hesitar, agradecer a Brandt e todos que torcem por mim. Um abraço pro Enzo (Elias), um baita campeonato, foi um ano de muitas disputas, ele está de parabéns assim como todos que competiram comigo e agora aproveitar este título. Até a Endurance a gente vai comemorar bastante.”

O piloto do carro #7 também fez um balanço da temporada, para Paludo o bom trabalho no início do ano construiu uma situação de controle para o fim do ano.

“Meu ponto forte foi a performance e velocidade desde o início do ano. Ficamos cinco meses parado por causa da pandemia e voltamos fazendo pole e ganhando corridas e esse gap do início do ano nos deu o que precisava para administrar agora no fim".

"No fim tivemos as seis corridas mais difíceis do ano porque não sabíamos os problemas que aconteceram no carro e não saber onde estava é uma situação difícil. O pessoal da Porsche fez um bom trabalho tentando encontrar o defeito mais não foi solucionado".

"Então acho que o mais legal é que tivemos uma temporada de 70% de sucesso, uns 25% batalhando e nos últimos cinco foi quando consegui vencer e fechar com chave de ouro. Agora eu posso finalmente comemorar o campeonato.”

Miguel Paludo teve um ano de 2019 difícil, de alguns acidentes e quebras, o piloto falou sobre como trabalha a cabeça nos momentos difíceis, em busca de alcançar um objetivo maior, além de explicar como a sorte também pode ajudar em momentos específicos de uma temporada.

“Isso e algo que venho construindo e faz parte de mim, vem lá do início de 2008 que eu tinha e mesma mentalidade de que a corrida e o campeonato só acabam na bandeirada. Tive um ano de muita sorte, não foi só competência, a sorte também ajuda como no sorteio do grid de hoje".

"Eu passei o Alceu no fim da corrida 2 e se eu não tivesse passado talvez a corrida de agora a tarde fosse completamente diferente, largando em oitavo. Não adianta ser só competente, também precisa ter um pouco de sorte e as estrelas estavam viradas para nós esse ano.”

Miguel Paludo ainda disputa a terceira e última etapa da Porsche Endurance, dia 6 de dezembro em Interlagos.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Hamilton despista sobre Rosberg, analisa Bottas e ‘esquece’ Alonso; assista e entenda

PODCAST: O calendário 'pós-pandemia' da F1 2021 é o mais correto? Ouça o debate

Your browser does not support the audio element.