Palmeirenses vão ao Enem 'fardados' e garantem que título revigorou motivação

·1 min de leitura

SÃO PAULO - De longe os vestibulandos mais felizes do dia, os palmeirenses que foram à Universidade Mackenzie para o segundo dia de provas do Enem relatam ressaca, mas garantem que o título da Copa Libertadores ganho ontem em cima do flamengo "revigorou as forças" a prova.

Ostentando a camisa do Verdão, Clara Lazari, 18 anos, que busca uma vaga em direito, é moradora de Perdizes, bairro onde fica a arena palmeirense e concentrou o maior número de torcedores festejando o tri da América.

— Não me incomodou em nada, absolutamente nada. Até desci um pouquinho. Na verdade me motivou a ir ainda melhor hoje —, disse a jovem, que acha ter ido bem no primeiro dia de prova.

Já Gustavo Bertolucci, 22, que faz o exame pela segunda vez em busca do curso de medicina, disse que comemorou até tarde o título. Integrante de uma torcida organizada do clube alviverde, o morador da Lapa (região oeste) disse que iria fazer a prova "fardado" (gíria usada para falar quando se usa o uniforme completo de um time), mas sua mãe brigou.

— Ela não entende que minha prioridade é a Fuvest, fazer USP (Universidade de São Paulo) —, disse.

Apesar de São Paulo ter acordado verde e branco com o tri continental, o número de vestibulandos usando a camisa do clube é baixo e motiva provocações. Um rival corintiano passava no momento da entrevista de O Globo e não perdeu a chance.

— Irmão, se é o Timão que ganha até a prova vinha de preto e branco hoje —, disse.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos