Palmeiras tem orçamento de 2020 aprovado; veja verba para reforços

Thiago Ferri
LANCE!
A gestão do presidente Maurício Galiotte prevê receitas de R$ 600 mi em 2020 (Foto: Cesar Greco)
A gestão do presidente Maurício Galiotte prevê receitas de R$ 600 mi em 2020 (Foto: Cesar Greco)


O orçamento de 2020 do Palmeiras foi aprovado pelo Conselho de Orientação e Fiscalização (COF) na noite desta terça-feira, por 14 votos contra um. A expectativa é de R$ 600 milhões em receitas, queda de 14% nos gastos com o departamento de futebol, superávit de R$ 12 milhões e uma verba para contratações que ainda pode subir.

A princípio, o Verdão terá entre R$ 40 milhões e R$ 50 milhões para buscar contratações pontuais. A ideia para 2020 é trazer menos jogadores e apenas aqueles que briguem, de fato, por uma vaga no time titular. O número pode aumentar, a depender de novas receitas e negociações de atletas.

​O novo modelo de gestão alviverde conta com a diminuição nas despesas operacionais do departamento de futebol. Nisto entra a reformulação do elenco já anunciada por Maurício Galiotte. Borja, por exemplo, está em conversas adiantadas para ser emprestado ao Olímpia, do Paraguai.

A avaliação no clube é de que a queda nos gastos não terá impacto técnico. O Palmeiras entende que há jogadores nas categorias de base prontos para ocupar o espaço de jogadores mais caros e que não corresponderam. Esteves, Gabriel Menino, Patrick de Paula, Angulo e Veron têm promoções garantidas.

​Anderson Barros, novo executivo de futebol, já está em conversas com Vanderlei Luxemburgo em busca de jogadores no mercado.

Nesta mesma reunião, foi apresentado o balancete de novembro - houve um superávit no mês de R$ 1,5 milhão. O documento foi aprovado por nove votos contra seis. Ao longo da temporada, o Palmeiras apresenta um déficit de R$ 34,5 milhões, que pode ser amenizado também a partir de negociações.










Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também