Palmeiras rebate acusações contra diretor do futebol feminino e promete buscar medidas judiciais


Na última quinta-feira, o site "Dibradoras" divulgou uma reportagem especial com denúncias feitas ao diretor de futebol feminino do Palmeiras, Alberto Simão. O material contém relatos anônimos e não-anônimos de atletas, membros da comissão técnica e funcionários acusando o dirigente de situações de xenofobia, abuso de autoridade e negligência. O conteúdo foi rebatido pelo clube, que prometeu buscar medidas judiciais para defender a honra da instituição e dos nomes acusados.

> Veja classificação e simulador do Paulistão-2023 clicando aqui

Entre os relatos, está a da ex-treinadora Ana Lúcia Gonçalves, que foi contratada para comandar o projeto de retomada do Verdão na modalidade. Segundo ela, houve negligência em relação a casos de doping no elenco, que teriam sido mal conduzidos por Alberto Simão naquela época. A técnica acabou sendo demitida mesmo conseguindo o acesso para a Série A1 do Campeonato Brasileiro.

Há também versões sobre tratamentos diferenciados para determinadas atletas do grupo em relação a outras. Bem como acusações sobre a falta de cuidados médicos durante as lesões de jogadoras. Segundo relatos anônimos, houve casos de tratamentos pagos do próprio bolso.

Outro caso denunciado foi uma suposta xenofobia em relação à zagueira Agustina Barroso. A argentina se envolveu em uma situação de discussões internas às vésperas de uma semifinal de Campeonato Brasileiro contra o Corinthians, em 2022, e foi desligada do clube na sequência. Nos relatos anônimos há acusações de tratamento ruim e xenofóbico com a defensora.

> Relembre todos os títulos do Verdão em 2022

Toda essa reportagem, que segundo o site levou mais de um ano e meio sendo produzida, gerou uma reação do Palmeiras, que se manifestou publicamente por meio de nota oficial. Segundo o texto enviado pelo Verdão, o clube nega as acusações que chama de "levianas" e promete buscar as medidas judiciais para defender a honra da instituição e das pessoas envolvidas nas acusações.

Palmeiras Campeão Paulista Feminino 2022
Palmeiras Campeão Paulista Feminino 2022

Palmeiras também foi campeão paulista (Foto: Leo Sguaçabia/Ag. Paulistão)

Confira, na íntegra, a nota oficial do Palmeiras:

"A Sociedade Esportiva Palmeiras repudia as acusações levianas, feitas em sua maioria por fontes anônimas, contra os profissionais do nosso time feminino de futebol, em especial o diretor Alberto Simão.

O clube desenvolve um trabalho competente e sério com essa modalidade, como atestam as recentes conquistas da Conmebol Libertadores e do Campeonato Paulista, além da chegada de cinco novos patrocinadores ao longo da temporada de 2022.

O Departamento de Futebol Feminino cumpre com rigor todos os seus compromissos, conta com colaboradores extremamente capacitados em diferentes áreas e, a cada ano, recebe mais investimentos com o intuito de proporcionar às atletas uma estrutura cada vez melhor.

Críticas são bem-vindas e contribuem com o aprimoramento do projeto, contanto que não tenham o revanchismo como norte. Denúncias e insinuações sem fundamento contra a agremiação e seus dirigentes precisam ser provadas por quem as faz; do contrário, não passam de difamação.

O Palmeiras e o diretor Alberto Simão tomarão todas as medidas judiciais cabíveis para salvaguardar a honra da instituição e de todos os profissionais injustamente atacados".

Em 2022, o Palmeiras feminino teve um ano bastante vitorioso com a conquista inédita da Libertadores e o Campeonato Paulista. Além dos patrocínios fechados que encaminham a modalidade para ser autossustentável, como deseja a gestão da presidente Leila Pereira.