Palmeiras quer eliminar 'pedra no sapato' da Crefisa na eleição do COF

Yahoo Esportes
Logo do Palmeiras, que nesta segunda-feira elegerá os novos membros do Conselho de Orientação Fiscal (Gazeta Press)
Logo do Palmeiras, que nesta segunda-feira elegerá os novos membros do Conselho de Orientação Fiscal (Gazeta Press)

O Palmeiras elege, nesta segunda-feira (18), os novos membros do COF (Conselho de Orientação Fiscal) do clube. Trata-se do órgão que vem sistematicamente “batendo de frente” com a Crefisa, ao questionar aditivo do clube com a patrocinadora e também rejeitar os balancetes do clube pelo mesmo motivo.

Do lado da situação, o objetivo é “oxigenar” o órgão para que a direção do Executivo, o Conselho Deliberativo e o COF passem a “falar a mesma língua”. Da parte da oposição, a meta é preservar ao máximo sua influência no COF, e mantê-lo como foco de resistência.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

No total, estarão em disputa 15 cadeiras e 7 vagas de suplentes. Todos os ex-presidentes são membros natos do COF (Carlos Facchina, Mustafá Contursi, Affonso dela Monica, Luiz Gonzaga Belluzzo, Arnaldo Tirone e Paulo Nobre). Os candidatos não estão divididos em chapas. Mas são 25 candidatos próximos à situação e 12 com mais proximidade à oposição. Entre os 37 candidatos há alguns com bom trânsito tanto na situação quanto na oposição.

Se forem levadas como parâmetro os resultados das últimas eleições no Palmeiras, que viram a reeleição de Mauricio Galiotte à presidência, a situação amealhando a maioria das novas cadeiras no conselho deliberativo, elegendo a maioria dos vitalícios e reelegendo Seraphim del Grande à presidência do Conselho Deliberativo, a expectatitiva é de a situação, que pretende concentrar os votos em 22 de seus candidatos, leve cerca de 60% das vagas no COF. Hoje os membros ligados ou simpatizantes à oposição são a maioria.

Dois membros notórios do COF que não buscarão a reeleição serão o próprio presidente, Carlos Della Monica, filho de Affonso, e Gilto Avallonne, este último por motivos de saúde.

Entre os “nomes” de tradição que estão na corrida estão Antonio Augusto Pompeu de Toledo, que tem o apoio de Del Grande e Galiotte; o ex-diretor ligadoa Nobre Savério Orlandi; Sergio Moisés, com três mandatos no COF; Mario Kaminski, um dos mais votados na mais recente eleição e último relator do COF e Roberto Frizzo, ex-vice de futebol, que já cumpriu três mandatos no COF, mais conhecido no clube pelo trabalho em prol do reconhecimento da Copa Rio-51 como Mundial.

Também há espaço para a nova geração, cofistas que buscam a reeleição e cartolas que planejam retornar ao COF, como o ex-vice do conselho deliberativo Carlos Faedo; Antonio Orciollo, que ocupava vaga de suplente no COF; Hislandi Pereira Bueno Jr., vice do COF e Osimar Morais, que tenta sua primeira eleição no COF. Também buscam espaço no órgão os ex-diretores jurídicos Antonio Carlos Corcionne e Guilherme Gomes Pereira, filho de Clemente Pereira; Neive Conceição Andrade, situacionista que busca reeeleição; Carlos Degon, representante da União Verde e Branca, aliada à situação e Enio George Camarano, recentemente eleito conselheiro vitalício, entre outros.

Mais no Yahoo Esportes
Estádio do Atlético de Madri bate recorde de público em jogo feminino de clubes
Rooney faz seu primeiro hat-trick nos EUA com direito a cavadinha
Luan pode virar reserva no Grêmio por causa do extracampo
Tite chorou após derrota do Brasil na Copa do Mundo, revela Edu Gaspar

Leia também