Palmeiras perde na Libertadores e desperdiça chance de classificação

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Na preparação para a partida contra o Jorge Wilstermann nesta quarta-feira (3), em Cochabamba, na Bolívia, o técnico Eduardo Baptista pediu mais atenção aos jogadores para que a equipe não tivesse desvantagem no placar logo de saída, como aconteceu contra a Ponte Preta e o Peñarol. Não funcionou.

Com dois gols sofridos ainda no primeiro tempo, o Palmeiras perdeu por 3 a 2 e desperdiçou a oportunidade de garantir a classificação para as oitavas de final da Libertadores. A decisão ficou para o dia 24, quando receberá o Atlético Tucumán no Allianz Parque. O time precisa de um empate para garantir a classificação e a liderança do grupo; caso perca por mais de um gol de diferença, precisará torcer para uma derrota do Jorge Wilstermann em partida contra o Peñarol. Antes desse jogo, o Palmeiras ainda joga em casa contra o Vasco no dia 14 em sua estreia pelo Campeonato Brasileiro.

O Palmeiras é o time de seu grupo que passa menos tempo à frente do placar: apenas 48 minutos ao longo de cinco jogos. Contra o Jorge Wilstermann, o empate em 0 a 0 durou apenas até os 35 minutos do primeiro tempo, o que mostrou mais uma vez a falta de estabilidade do Palmeiras.

Após cruzamento na área, Morales apareceu entre Jean e Vitor Hugo e abriu o placar.

Cinco minutos depois, Christian Machado passou por Guerra, conduziu a bola no meio de campo com liberdade e acertou chute forte no ângulo de Prass, que apenas acompanhou com os olhos.

Escalado no lugar do lesionado Edu Dracena, Vitor Hugo voltou a ter exibição abaixo do que já apresentou no passado e vive fase técnica ruim em 2017.

O meia Guerra ainda fez um gol aos 45 minutos e deu algum ânimo ao Palmeiras.

Para o segundo tempo, Baptista trocou Willian por Borja e o time se manteve com desempenho discreto, com falhas na defesa e pouca criação no ataque.

Aos 23 minutos, Saucedo foi alvo de saída do gol estabanada de Prass e sofreu pênalti. Cardozo ampliou a vantagem para o clube da casa.

Baptista, então, jogou o time à frente, formando frente de ataque com Keno, Róger Guedes e Borja. A estratégia funcionou apenas parcialmente. Aos 27 minutos, Keno cruzou e o zagueiro Cabezas desviou a bola contra a própria meta, anotando gol contra.

Jogando em Cochabamba, a 2.574 m acima do nível do mar, os palmeirenses pareceram sentir a diferença no tempo de bola, errando diversos passes e tentativas de domínio.

A derrota foi a primeira da equipe na competição, mas acende sinal de alerta. O clube esteve perto de perder ou empatar os confrontos contra Atlético Tucumán e Peñarol (os dois jogos), e tem mostrado dificuldades de vencer em um grupo considerado fácil.

"Pegamos uma equipe que mostrou bom futebol. Não fizemos a partida que tínhamos que fazer para classificar. Agora é levantar a cabeça para classificar jogando em casa, diante da nossa torcida", disse Michel Bastos, que jogou como lateral esquerdo, ao canal SporTV.

"Não podemos nos desesperar. Com garra e com vontade temos conseguido nos superar. É Libertadores", completou.

JORGE WILSTERMANN

Raúl Olivares; Omar Morales, Edward Zenteno, Alex Silva e Juan Aponte; Christian Machado, Cristian Chávez (Ortiz) e Fernando Saucedo (Diaz); Marcelo Bergese (Cabezas), Gabriel Rios e Rudy Cardozo. Técnico: Roberto Mosquera.

PALMEIRAS

Fernando Prass; Jean, Yerry Mina, Vitor Hugo e Michel Bastos; Thiago Santos (Keno); Róger Guedes, Alejandro Guerra, Tchê Tchê e Dudu (Raphael Veiga); Willian (Miguel Borja). Técnico: Eduardo Baptista.

Estádio: Felix Caprielles, em Cochabamba, na Bolívia

Juiz: Wilson Lamouroux (COL)

Cartões Amarelos: Aponte, Morales e Ortiz (JOR)

Gols: Morales (JOR), aos 36min, Machado (JOR) aos 40min, e Alejandro Guerra (PAL) aos 45min do primeiro tempo; e Cabezas (contra, PAL), aos 28min e Cardozo (de pênalti, JOR), aos 23min do segundo tempo