Palmeiras passou sufoco desnecessário para vencer o Universitario

Alexandre Praetzel
·1 minuto de leitura
Renan fez o gol da vitória palmeirense. Foto: Marcello Zambrana/AGIF
Renan fez o gol da vitória palmeirense. Foto: Marcello Zambrana/AGIF

O Palmeiras largou bem na Libertadores da América com a vitória de 3 a 2 sobre o Universitario, em Lima. No entanto, o time passou um sufoco desnecessário em dois cenários bem diferentes. 

Quando o jogo estava 11 contra 11, o Palmeiras dominava a partida. No primeiro tempo, fez 1 a 0 com Danilo aproveitando bola desviada de uma cobrança de escanteio. O gol fez bem ao time, que atacava com tranquilidade e não era incomodado pelo adversário. Luan, acertando o travessão, poderia ter aumentado a vantagem. 

Leia também:

Na volta do intervalo, Veiga fez o segundo gol em chutaço de primeira, após assistência de Rony. O Palmeiras se tranquilizou e tinha total controle sobre os peruanos. Aí, houve o fato novo negativo com a expulsão boba de Empereur. No lance seguinte, o Universitario descontou. 

Abel Ferreira demorou para recompor o time e o Universitario empatou em seguida, em pênalti cometido por Danilo. Foram três minutos de apagão palmeirense, deixando o confronto favorável à equipe peruana. De três pontos praticamente garantidos a um ponto ganho, era assim que se desenhava o final do confronto. 

Mas Abel Ferreira tem muita sorte e isso ajuda a ganhar. Mesmo com escolhas discutíveis, como Scarpa atuando pela ala direita, o Palmeiras fez o gol derradeiro em cabeceio do zagueiro Renan, em cruzamento do próprio Scarpa. 

Um resultado importantíssimo, com a liderança do grupo, onde Del Valle e Defensa empataram em 1 a 1. Agora, o elenco precisa ter mais calma e administrar melhor suas vantagens, evitando punições e reclamações, sem a pilha estabelecida pelo treinador português. Abel não precisa disso e os jogadores também.