Palmeiras aposta em acordo de cavalheiros com Flamengo para ter Muñoz

Yahoo Esportes
Palmeiras tem em Muñoz sua prioridade no 1º semestre (Divulgação/Atlético Nacional)
Palmeiras tem em Muñoz sua prioridade no 1º semestre (Divulgação/Atlético Nacional)

Maiores rivais nas finanças e dentro de campo nos últimos anos, Palmeiras e Flamengo tentaram nos últimos dias a contratação do lateral-direito Muñoz, do Atlético Nacional. E, além de ainda não ter desistido do colombiano, o Verdão ainda aposta em um acordo de cavalheiros com o Rubro-Negro para evitar um leilão.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Siga o Yahoo Esportes no Google News

“Pelo menos nos casos do Michael e do Muñoz, existe um consenso entre os dois clubes”, revela um dirigente palmeirense, citando o atacante do Goiás, que acabou indo para o Flamengo, embora também tivesse proposta dos paulistas.

Leia também:

“Posso garantir que o problema do Muñoz em relação ao Flamengo não foi uma pedida considerada alta. Eles respeitaram a proposta do Palmeiras, assim como fomos firmes com eles em relação ao Michael. Sem leilão entre os clubes”, acrescenta o dirigente.

Procurado pelo Blog para repercutir a versão palmeirense, o Rubro-Negro afirmou que não se manifestará. De qualquer maneira, houve uma consulta dos flamenguistas em relação a Muñoz na primeira quinzena de fevereiro, como revelado pelo Yahoo com exclusividade.

O Verdão assegura que ainda crê em um acerto com o Atlético Nacional pelo lateral-direito de 23 anos. “A proposta está nas mãos deles e estamos aguardando a resposta. Ouvimos que eles não podem liberar o jogador até maio, mas seguimos esperando uma posição final”, explica.

A oferta do Palmeiras prevê o pagamento por Muñoz e também a quitação de uma dívida de US$ 3 milhões referentes à compra de Borja - o atacante foi adquirido em um primeiro momento por US$ 10,5 milhões. Em julho do ano passado, porém, o Verdão também teve de comprar mais 30% dos direitos econômicos pelos US$ 3 milhões. Até agora, tal valor não foi pago.

Siga o Yahoo Esportes no Instagram, Facebook e Twitter e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.

Leia também