Palmeiras abre 2 a 0, leva empate do Bahia e sai vaiado do Pacaembu

Thiago Ferri

Uma vitória que parecia sob controle do Palmeiras acabou virando mais uma frustração em um ano já bem abaixo do esperado. Depois de abrir 2 a 0 no Pacaembu nesta quinta-feira, o time levou cometeu dois vacilos graves, cada um no fim de um tempo, e levou o empate nos minutos finais do Bahia, que luta para não cair à Série B.

Com um bom primeiro tempo, o Verdão teve o desfalque de Jean, vetado por desgaste muscular. Isto abriu espaço para Bruno Henrique, já que Tchê Tchê foi improvisado na lateral direita – Mayke estava suspenso.

A entrada do camisa 19 trabalhando com Moisés e Dudu deu força ofensiva ao Palmeiras, que iniciou o jogo marcando no ataque. Foi assim que Dudu roubou a bola, Deyverson cruzou para Moisés, e Willian completou para abrir o placar logo aos dois minutos de partida. O 16º gol do atacante no ano, artilheiro do time.

Parecia um início de noite tranquilo para o Verdão, mas o Bahia, comandado pelo estreante Paulo César Carpegiani, passou a encontrar espaços pelo lado do campo e obrigou Fernando Prass e fazer duas defesas, em chutes de Mendoza (aquele mesmo, ex-Corinthians) e Vinícius.

O segundo gol viria de outra jogada bem trabalhada, com participação de Deyverson, Tchê Tchê e Willian até o gol de Bruno Henrique. Mas a primeira bobeada, no último lance antes do intervalo, fez o Bahia descontar, com Edigar Junio.

No segundo tempo, mesmo com boa atuação, Deyverson ouviu gritos da torcida por Borja. Cuca os atendeu quase imediatamente e trocou os centroavantes. O colombiano criou uma chance, em chute forte que tocou a rede pelo lado de fora, mas a oportunidade mais clara ficou no quase, já que Dudu ao limpar o goleiro Jean não tocou no camisa 9.

Os palmeirenses, já extasiados com Borja, vibraram com outra mudança: a entrada de Felipe Melo, relacionado pela primeira vez depois de 78 dias, e que arrancou mais aplausos dos palmeirenses. Mas a última mudança teve peso decisivo: Róger Guedes entrou aos 40, e com pouco mais de um minuto em campo, fez pênalti em Mendoza. Edigar Junio fez mais um – Prass, que chegou a 246 jogos pelo clube e igualou-se a Evair, quase pegou. Sua atuação, inclusive, evitou um resultado pior.

O Palmeiras volta a escorregar em casa e agora vê o Botafogo a apenas um ponto do seu quinto lugar. O Bahia, com o empate, evita o Z4. Muitas vaias no fim do jogo dos 25 mil palmeirenses que assistiram ao tropeço no Pacaembu.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 2 X 2 BAHIA
Local: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data-Hora: 12/10/2017 - 21h
Árbitro: Rafael Traci (PR)
Auxiliares: Ivan Carlos Bohn (PR) e Luciano Roggenbaum (PR)
Público/renda: 24.299 pagantes/R$ 739.950,00
Cartões amarelos: Edu Dracena (PAL), Renê Junior e Mendoza (BAH)
Cartões vermelhos: -
Gols: Willian (2'/1ºT) (1-0), Bruno Henrique (38'/1ºT) (2-0), Edigar Junio (46'/1ºT) (2-1), Edigar Junio (43'/2ºT) (2-2),

PALMEIRAS: Fernando Prass; Tchê Tchê, Edu Dracena, Juninho e Egídio; Thiago Santos, Bruno Henrique (Felipe Melo, aos 28'/2ºT) e Moisés; Willian (Róger Guedes, aos 40'/2ºT), Dudu e Deyverson (Borja, aos 12'/2ºT). Técnico: Cuca.

BAHIA: Jean; Eduardo, Rodrigo Becão, Lucas Fonseca e Juninho Capixaba; Renê Junior (Feijão, aos 46'/2ºT), Juninho e Vinícius (Rodrigão, aos 25'/2ºT); Zé Rafael (Régis, aos 33'/2ºT), Mendoza e Edigar Junio. Técnico: Paulo César Carpegiani.




























E MAIS: