Pablo encanta no início, mas Timão ainda não pensa em compra

O zagueiro Pablo já conquistou a titularidade e o respeito dos companheiros no Corinthians após as boas atuações na sequência de 10 jogos acumulada por ele neste início temporada, bastante animador para quem chegou como uma aposta da diretoria no setor mais criticado de 2016. Ainda assim, porém, não há qualquer conversa entre jogador e presidência a respeito de uma possível compra dos seus direitos econômicos, vinculados ao Bordeaux-FRA.

Emprestado até o final deste ano para o Timão, Pablo encarou a vinda para o Alvinegro como uma tentativa de recuperação após passar por problemas no púbis enquanto estava na França, lesões que praticamente o tiraram da temporada. No ano passado, o atleta disputou apenas oito partidas, todas no primeiro semestre, e precisava ganhar mais minutos para atuar.

“A única coisa que eu posso dizer é que eu estou muito feliz. Tive um 2016 horrível, duas lesões muito graves. Precisava jogar, Corinthians abriu as portas para mim, vim com a maior alegria, sonho realizado. Corinthians tem a opção de compra e cabe ao clube analisar. Só posso dizer que estou muito feliz”, disse o defensor, que procura não pensar no futuro ainda.

“Não tem muito como pensar nisso, fiz só dez jogos de uns 70 que vai ter no ano”, avaliou o atleta, com posição semelhante à da diretoria. Focada em renovar o contrato de jovens promessas (Léo Santos e Pedrinho são os próximos), a cúpula ainda corre atrás de um atacante pelas pontas para atender a um pedido de Fábio Carille, que quer um reforço no setor para o Campeonato Brasileiro.

Sem qualquer procura no sentido de ampliar o contrato, os representantes do atleta acreditam que esse ainda não é o momento de pensar no assunto. Pablo, por sinal, deixa claro que não se incomoda com qualquer coisa que possa acontecer em 2018.

“Eu sou muito trabalhador, penso que tem que plantar para depois colher. O que eu penso é só isso, isso vem com o tempo”, declarou Pablo, que ainda nem se vê como o dono da sua posição. “Titular absoluto, não. Tem muito jogo, muito trabalho, vamos pensar assim que é melhor”, avaliou, reverenciando o bom aproveitamento demonstrado pelo clube neste começo de ano.

“Corinthians sempre vai entrar para ser campeão, mas acho que nosso diferencial vai ser o trabalho. Todos os atletas pensam muito parecido, têm gana de ganhar títulos, isso faz com que a gente coloque o pezinho no chão e trabalhe com qualidade. Esse é o nosso diferencial”, concluiu.