Pablo diz que pode jogar com Pato e vê Diniz ‘com muitas novidades para o São Paulo’

Goal.com

O atacante Pablo disputou um clássico em um sábado, marcou dois gols e decidiu um jogo para o São Paulo na tentativa de voltar a ser titular da equipe. O desfecho dessa história, porém, está pausado desde aquela ocasião, à espera de uma resolução a respeito da pandemia da Covid-19.

Principal jogador na virada por 2 a 1 sobre o Santos, há mais de 100 dias, no Morumbi, o jogador conversou com a Goal a respeito do tempo em que o futebol ficou parado e sobre o que esperar da equipe do São Paulo daqui para frente.

"Acredito que quando eu fiz os dois gols o pessoal ficou: ‘o Pablo está de volta’. Agora começa tudo de novo, vou tentar me preparar bem para estar firme nessa retomada", disse o jogador, que se vê adaptado a um possível trio com Alexandre Pato e Vitor Bueno na ausência de Antony, vendido ao Ajax.

Confiante em um temporada com títulos para o Tricolor, Pablo disse que conversou com Fernando Diniz durante a pandemia e foi avisado que o treinador tem muitas novas informações para a retomada do futebol. "Nós temos o compromisso de sermos campeões".

Veja o papo na íntegra:

Pablo São Paulo Palmeiras Brasileirão Série A 13072019
Pablo São Paulo Palmeiras Brasileirão Série A 13072019
Role para baixo para continuar lendo
Anúncio
Foto: Alexandre Schneider/Getty

Goal: Você teve um início complicado de ano, foi criticado, chegou a perder a posição, mas fez dois gols contra o Santos antes da parada. Muito azar?

Pablo: Ah, cara, eu discordo. Achei que eu comecei o ano bem, sim, joguei bem em alguns jogos, dei algumas assistências. Infelizmente, não vinha fazendo gols e um atacante vai ser cobrado por isso. Conversei com o Fernando, entendi, compreendi, aceitei. Naquele jogo contra o Santos tive a oportunidade de entrar e marcar os dois gols da vitória. Fiquei muito confiante. Quando você é atacante e ajuda com as assistências as pessoas não enxergam. Acredito que quando eu fiz os dois gols o pessoal ficou: ‘o Pablo está de volta’. Agora começa tudo de novo, vou tentar me preparar bem para estar firme nessa retomada.

Goal: Na volta não vai mais ter o Antony, que vinha sendo titular. Você acha que conseguiria se encaixar com Pato e Vitor Bueno em um novo ataque para esse semestre?

Pablo: Isso aí quem vai decidir é o Fernando, ele sabe onde eu posso ajudar a equipe. Já joguei ali, foi o próprio Fernando quem me colocou de centroavante. A gente se entende muito bem, eu, o Alê [Pato], o Bueno, quem jogar ali vai com certeza dar conta do recado. Mas essa decisão é do Fernando. Já disse que estou sempre à disposição para ajudar a equipe, meu maior desejo é ajudar o São Paulo a ser campeão. Se tiver que jogar na ponta eu jogo sem problema algum.

Goal: Sobre o Diniz, você trabalhou com ele agora no São Paulo e antes no Athletico. Você acha que ele já conseguiu implantar toda a metodologia dele no São Paulo?

Pablo: Ah, desde o ano passado a gente já via características quando ele assumiu o time. A diferença que eu vejo do Athletico para o São Paulo é que ele teve três meses para implantar a filosofia. Como não joga o Estadual, ele teve todo esse tempo para fazer esse trabalho. Aqui no São Paulo ainda tem muita coisa que eu acho que ele tem para nós. Mas, mesmo assim, a equipe já jogou muito bem nesse ano. Acho que em quase todos os jogos a gente jogou muito bem, defensivamente e ofensivamente. Acredito, sim, que estamos em um grande momento. Quando tiver essa retomada, ele já me disse que tem muitas informações para passar e novidades sobre onde a equipe pode melhorar.

Goal: O que você pensa dessa retomada dos treinos? Acha que já está na hora de voltar?

Pablo: Eu quero acreditar que, se estamos voltando, é o momento certo. Não porque a Europa já voltou e sim porque é o momento certo de voltar. É algo que ainda não tem uma resposta, né, não existe uma vacina, não tem um remédio para tratar que curte a doença, enfim. Mas o que o clube pedir para nós vamos acatar, vamos fazer, somos funcionários e estamos ansiosos para voltar. Gostaríamos que voltasse o mais rápido possível, mas não vai ser tão rápido quanto a gente gostaria, claro.

Goal: Quanto tempo você acredita que vai demorar para os atletas estarem em boas condições físicas? Dá para comparar com o período de férias?

Pablo: Hoje em dia, até no período de férias, os jogaores aproveitam, mas todos são atletas, pensam assim. Tem que se cuidar. Não foram férias e muito menos o tempo foi semelhante. Tempo muito longo parado, três meses já. Precisa de um tempo adequado de preparação para você treinar, fazer as atividades para não acontecer lesões. A gente sabe que três meses sem treinamento, dia a dia, é muito tempo. As pessoas que comandam o futebol têm que ter consciência de que a gente precisa de um tempo hábil para poder treinar, se preparare não ocorrer lesões em grande escala. No mínimo de 4 a 6 semanas é o tempo ideal

Goal: Como foi o seu trabalho durante a quarentena? Queria que você contasse como foi esse período, contatos com o Diniz, a comissão, e como foi trabalhar remotamente.

Pablo: Conversei algumas vezes com o Fernando, pessoal da preparação física todo dia acompanhando a gente. Foi difícil porque treinar sozinho é complicado, você sente falta dos companheiros, do convívio. Mas você não pode ficar parado, tem que continuar treinando, nosso corpo precisa de atividade. Todos jogadores treinaram nesse período parado, três meses sem jogar é ruim para o corpo.

Goal: Quão preparado o São Paulo está para ganhar títulos já neste ano? Dá para bater de frente, por exemplo, com o Flamengo?

Pablo: A nossa equipe tem jogadores e está num nível incrível. Vai começar tudo de novo o ano, vai começar para todos, o Brasileiro não começou, Libertadores já tinha começado e quando retomar a gente vai estar num nívem bom já. A gente sabe que a equipe do Flamengo vem bem, o Athletico vem vencendo também, são equipes campeãs. Tem outras grandes equipes, com elenco muito bons, Fluminense, Botafogo, a gente sabe que vai ser um ano em que todo mundo quer vencer. E a gente quer vencer também pela forma que a gente tem de característica de jogo.

Acredito que a gente tem possibilidade de vencer, ser campeão. E a gente quer ser campeão de todo campeonato que a gente for jogar. Vai jogar Paulista, vamos jogar para ser campeão do Paulista. Vai jogar Brasileiro, vamos jogar para ser campeão do Brasileiro. Libertadores, vamos buscar título, é o maior objetivo. Copa do Brasil.

Todo torneio que a gente entrar pode ter certeza que o São Paulo vai entrar pra mostrar sua força porque um clube como o São Paulo não pode ficar muito tempo sem ser campeão. E, a cada ano que passa, essa pressão aumenta. Nós temos que voltar a vencer com a camisa do São Paulo.

Leia também