Pâmela Rosa vence Mundial de skate pela segunda vez; Rayssa Leal é prata

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*ARQUIVO* RIO DE JANEIRO, RJ, 15.11.2019 - A skatista brasileira Pâmela Rosa, 20, atual líder do ranking olímpico e campeã mundial, no Rio de Janeiro. (Foto: Ricardo Borges/Folhapress)
*ARQUIVO* RIO DE JANEIRO, RJ, 15.11.2019 - A skatista brasileira Pâmela Rosa, 20, atual líder do ranking olímpico e campeã mundial, no Rio de Janeiro. (Foto: Ricardo Borges/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Atual campeã, Pâmela Rosa, 22, conquistou neste domingo (14) o seu segundo título da Street League, o Mundial de skate.

Em Jacksonville, na Flórida (Estados Unidos), ela somou 21,8, e venceu a compatriota Rayssa Leal, 19,2, que ficou em segundo lugar.

Campeã em 2019, Pamela chegou às Olimpíadas de Tóquio como favorita ao ouro, mas ela não conseguiu passar à final. Após ser eliminada nas semifinais, a brasileira revelou que estava com uma grave lesão. Evitou uma cirurgia para poder competir no Mundial e sagrou-se campeã.

Neste domingo, a final da Street League reuniu todo o pódio olímpico: Rayssa Leal, que foi prata, e as japonesas Momiji Nishiya (que ficou com o ouro) e Funa Nakayama (bronze).

Tanto Pâmela quanto Rayssa foram até a última etapa da decisão, que reúne apenas as quatro melhores do dia.

Em duas manobras, a atual campeã conseguiu virar o placar com a maior nota da compeetição (8,1) para ficar com o troféu.

Nas outras duas etapas da Street League disputadas até aqui, Pâmela não havia ido tão bem: ficou em quarto lugar em ambas, realizadas em Salt Lake City e Lake Havasu.

Já Rayssa havia vencido as duas, respectivamente em agosto e outubro, que chegou para a final como líder e favorita.

O Street League é disputado desde 2010 e, até aqui, o Brasil já havia ganhado três títulos mundiais.

Os dois primeiros vieram em 2015, quando Kelvin Hoefler (prata nas Olimpíadas de Tóquio) e Letícia Bufoni fizeram a dobradinha na primeira vez que houve disputa feminina do título.

Bufoni acabou ficando de fora da final na edição de 2021.

O terceiro título veio justamente com Pâmela Rosa, em 2019, a última vez que o Mundial foi disputado (em 2020, em razão da pandemia do coronavírus, o evento foi cancelado).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos