Oscar 2021: saiba quem são os favoritos nas principais categorias

Rafael Monteiro
·3 minuto de leitura
"Nomadland", "Minari" e "Judas e o Messias Negro": os favoritos do Oscar 2021 (reprodução)
"Nomadland", "Minari" e "Judas e o Messias Negro": os favoritos do Oscar 2021 (reprodução)

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood divulgou nesta segunda-feira (15) os indicados da 93ª edição do Oscar, a premiação mais importante do cinema dos Estados Unidos.

Como parte da preparação para a cerimônia marcada para o dia 25 de abril, apontamos já quem são os favoritos e candidatos a azarões nas principais categorias da cerimônia. Por via das dúvidas, prepare a pipoca e veja todos os filmes citados.

Leia também:

Animação

Quem deve ganhar: "Soul"

Quem pode surpreender: "Wolfwalkers"

Com três indicações no total e grande repercussão, é difícil de imaginar que "Soul" não vença o prêmio justo na sua categoria principal. Caso dê zebra, quem surge com boas é a animação irlandesa "Wolfwalkers", aclamada como Melhor Animação por prêmios importantes da crítica, como Los Angeles Film Critics Association, New York Film Critics Circle, Chicago Film Critics Association e Boston Online Film Critics Association.

Leia também:

Ator Coadjuvante

Quem deve ganhar: Daniel Kaluuya - "Judas e o messias negro"

Quem pode surpreender: Paul Raci - "O Som do Silêncio"

Para início de conversa, é estranho que Kaluuya, protagonista (veja bem) de "Judas e o Messias Negro", esteja disputando a categoria de Melhor Ator Coadjuvante. Não entendemos o critério, mas o fato é que ele desponta como grande favorito da disputa. Com presença em quase todas as premiações, Paul Raci não pode ser descartado, no entanto. 

Ouça o Pod Assistir, podcast de filmes e séries do Yahoo:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Atriz Coadjuvante

Quem deve ganhar: Yuh-Jung Youn - "Minari"

Quem pode surpreender: Olivia Colman - "Meu pai" e Glenn Close - "Era uma vez um sonho"

Interpretando uma vovó inesquecível, Yuh-Jung Youn é um dos motivos para "Minari" ser tão elogiado. Como concorrente como mais prêmios na temporada, é provável que vença também o Oscar. Em alta desde "The Crown", Olivia Colman, destaque de "Meu Pai", também tem boas chances. Correndo bem por fora, surge Glenn Close, agora oito vezes indicadas ao Oscar - com nenhuma vitória até aqui.

Atriz

Quem deve ganhar: Carey Mulligan - "Bela Vingança"

Quem pode surpreender: Frances McDormand - "Nomadland" e Viola Davis - "A voz suprema do blues"

Páreo duro. Estrelando o filme favorito da edição, Frances McDormand não é favorita na sua categoria. Com uma das atuações mais vibrantes dos últimos anos, Carey Mulligan dificilmente não será reconhecida pelo seu grande trabalho em "Bela Vingança". Além delas, claro, Viola Davis jamais pode ser descartada de qualquer disputa por prêmios.

Ator

Quem deve ganhar: Chadwick Boseman - "A voz suprema do blues"

Quem pode surpreender: Riz Ahmed - "O som do silêncio"

Dificilmente a Academia passará a oportunidade de fazer uma homenagem póstuma a Chadwick Boseman. Anthony Hopkins e Gary Oldman são queridinhos da classe votante, porém parecem atrás de Riz Ahmed - uma estrela em ascensão em Hollywood - em um ranking de azarões da categoria. 

Direção

Quem deve ganhar: Chloé Zhao - "Nomadland"

Quem pode surpreender: Lee Isaac Chung - "Minari"

Dominada por homens brancos durante décadas, a categoria tem esse ano dois nomes asiáticos como favoritos. A chinesa Chloé Zhao deve vencer a categoria pelo seu sensível trabalho em Nomadland, mas pode ser surpreendida por Lee Isaac Chung, filho de imigrantes sul-coreanos, de "Minari".

Filme

Quem deve ganhar: "Nomadland"

Quem pode surpreender: "Judas e o Messias Negro" e "Minari"

Elogiado pela crítica, sucesso em festivais e declaradamente feminista. "Nomadland" tem votantes e a narrativa ao seu favor e deve ser aclamado como o grande filme do ano. Porém, em um ano sem barbadas no Oscar, há espaço para surpresa: "Judas e o Messias Negro" tem ganhado força nas premiações e começa a repercutir positivamente na sociedade estadunidense - meses depois dos protestos do Black Lives Matter, a sua vitória teria significado especial. Com menos chances, surge "Minari", um filme tocante e muito fofo que pode ganhar os jurados pelo coração.