Oponentes, Wallace e Filipe exaltam ansiedade antes da decisão

A final da Superliga masculina de vôlei não se trata apenas do confronto entre Taubaté e Cruzeiro. Marcada para as 10h do próximo domingo, no ginásio do Mineirinho, a decisão coloca à frente dois grandes pontuadores: Wallace de Souza e Filipe Ferraz.

Maior pontuador da história da Superliga, chegando a 4.321 pontos marcados nesta 11ª edição, Wallace é uma das grandes armas do elenco taubateano. O oposto quatro vezes campeão do torneio, no entanto, não pensa em valorização pessoal e exaltou o elenco de sua equipe, que defende pela primeira vez na carreira.

“A pontuação alta em uma partida, especialmente na final, é fundamental para que eu, como oposto, ajude o time a vencer. Não penso nisso como algo que me valorize pessoalmente. O jogador da minha posição tem que pontuar bem, claro, e procuro fazer isso a cada partida, sempre na intenção de ajudar a minha equipe, mas tenho que destacar que a questão em si de ser o maior pontuador não muda muita coisa. Eu gosto de ter uma boa eficiência no ataque”, apontou o campeão olímpico com o Brasil em 2016, no Rio de Janeiro.

Já Filipe, dono de cinco títulos da Superliga e terceiro maior pontuador da temporada 2016/17, com 3.843, conta com a experiência para a grande final que tem pela frente. O veterano de 37 anos do Cruzeiro, que fez sua estreia na competição em 2000, espera trazer a bagagem para inspirar os jovens do time celeste.

“Fico feliz de ser o terceiro maior pontuador da história da Superliga e consequentemente saber que venho ajudando as equipes por onde fui passando ao longo dos anos. É bom saber que contribuo, agora, com o Sada Cruzeiro e posso dizer que a experiência conta muito”, avaliou Filipe.

A emoção em volta da final já começa a tomar conta dos clubes. O Taubaté já viaja nesta quarta-feira para Belo Horizonte e começa a treinar visando a decisão na próxima quinta.

Além de Wallace e Filipe, a lista de maiores pontuadores da história da Superliga tem grandes nomes. Na segunda posição, aparece o oposto Rivaldo, do Campinas, com 3.871, seguido pelo quarto colocado Ezinho (3.728), que já se aposentou, e pelo quinto Lorena (3.703), que não atua mais no Brasil.