Operário vence Oeste e praticamente acaba com chances de rebaixamento na Série B

Futebol Latino
·3 minuto de leitura


Diretamente do Germano Kruger, em Ponta Grossa, Operário-PR e Oeste fizeram um jogo sem grandes holofotes tendo em vista a situação das equipes na classificação, a não ser para o torcedor fantasma que queria garantir logo sua permanência na Série B. E os paranaenses deixaram seus adeptos felizes ao vencerem o Rubrão por 2 a 0.

Os três pontos fizeram o Operário chegar ao número mágico dos matemáticos para que se evite o rebaixamento: 45 pontos. O Figueirense, primeiro do Z-4 com 35 pontos, ainda joga contra o CSA na rodada. Pensando no lado cheio do copo, o Fantasma está a sete pontos do Juventude no G-4, mas o CSA ainda joga e pode passar os gaúchos na tabela.

Por outro lado, o Oeste praticamente abraçou a Série C ao permanecer com 23 pontos. A equipe só pode chegar a 38 pontos até o fim do campeonato.

Na segunda-feira (11), o Operário vai jogar contra o Confiança, que também não tem grandes pretensões na Série B, no Batistão, às 20h (de Brasília). Pelos lados do Rubrão, a equipe de Barueri vai jogar contra o Cruzeiro, na Arena Independência.

PRIMEIRO TEMPO

Apesar de Operário e Oeste não terem grandes objetivos em mãos na Série B, a partida começou corrida. Nem mesmo a chuva que passou a cair a partir dos cinco minutos baixou a bola das equipes, que nos respectivos ataques falhavam na criação e principalmente na pontaria. No decorrer dos minutos, porém, o jogo foi sendo interrompido por faltas bobas sem oportunidade de oferecer perigo.

Sem grandes emoções no jogo, as equipes apostaram em lançamentos e jogadas aéreas para tentar o gol. E incrivelmente uma das jogadas de maior perigo aconteceu sem querer e partiu de um cruzamento em que o zagueiro Vitão, do Oeste, quis levantar na área, mas pegou errado e a bola foi direto no travessão.

No fim, o primeiro tempo terminou monótono fazendo jus a colocação em que as equipes se encontram na tabela da Série B.

SEGUNDO TEMPO

Na volta do intervalo, que não teve mudanças, o Operário voltou disposto a alterar o placar. Em cinco minutos o Fantasma teve duas chances, uma com Oller, em que a defesa do Oeste, tirou e a outra quando Ricardo Bueno invadiu a área e cruzou rasteiro, mas mais uma vez o Rubrão foi preciso para tirar. O Operário ainda chegou mais três vezes até os 10 minutos, mas seguia sem balançar as redes.

E de tanto insistir, o Fantasma abriu o placar. Após lançamento da zaga, dois jogadores do Oeste se chocaram no meio do caminho e a bola ficou nos pés de Rafael Oller, que arrancou do meio-campo e deu uma cavadinha para fazer o primeiro.

O Oeste quase jogou um balde de água fria no Operário após Pedrinho aproveitar o cruzamento e, em meio aos defensores do Fantasma, cabecear na trave. Após essa chegada perigosa, nem Rubrão e nem o Fantasma conseguiram assustarem os goleiros novamente. O campo pesado seguia fazendo os times abusarem das jogadas pelo alto.

Aos 46 minutos, Pedro Ken invadiu a área e sofreu pênalti de Diogo. O próprio meio-campista bateu e fechou o placar no Germano Kruger.