ONG pede que Fifa pague indenização milionária a trabalhadores migrantes maltratados no Catar

A ONG Anistia Internacional pediu nesta quinta-feira (19) à Fifa que pague uma indenização de pelo menos US$ 440 milhões a trabalhadores migrantes "maltratados" no Catar, país sede da Copa do Mundo de 2022. A organização alega que os direitos deles não foram plenamente respeitados.

O pedido da Anistia, apoiado por outras organizações de direitos humanos, vem depois de repetidas críticas à lentidão do órgão regulador do futebol em responder às denúncias de más condições de trabalho dos operários que se aglomeraram nos canteiros de obras para a Copa do Mundo no rico estado do Golfo.

"A Fifa deve dedicar pelo menos US$ 440 milhões à reparação dos danos sofridos pelas centenas de milhares de trabalhadores migrantes que foram vítimas de violações de direitos humanos no Catar durante os preparativos para a Copa do Mundo de 2022", declara a ONG, em um comunicado.

Segundo a Anistia, este montante, que corresponde à dotação que as 32 equipes participantes vão partilhar, é o “mínimo necessário” para indenizar os trabalhadores e protegê-los de futuros abusos. A organização cita em particular os salários não pagos, o pagamento de taxas de recrutamento "ilegais" e "exorbitantes", bem como os danos causados ​​por acidentes de trabalho.

A ONG com sede em Londres incitou a Fifa a "trabalhar com o Catar para implementar um programa abrangente de reparações com a participação de trabalhadores, sindicatos, Organização Internacional do Trabalho (OIT) e sociedade civil".

Abusos em série

(Com informações da AFP)


Leia mais

Leia também:
A um ano da Copa, Anistia Internacional acusa Catar de explorar trabalhadores migrantes
Dirigente norueguesa critica Catar no Congresso da Fifa, cita direitos humanos e Comitê rebate
A um ano da Copa do Catar, país já está quase pronto para o Mundial, mas segue alvo de críticas

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos