Olimpíadas 2024: Intel quer eSports em próximos ciclos olímpicos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Parceira dos jogos Olímpicos de Tóquio 2020, a Intel espera repetir a dose e trazer mais competições de esportes eletrônicos para os próximos ciclos olímpicos.

A marca promoveu, dias antes da abertura oficial das competições deste ano, campeonatos de Rocket League e Street Fighter 5 com apoio do Comitê Olímpico Internacional (COI). O evento, chamado de Intel World Open, mostrou alguns dos melhores jogadores dessas modalidades e ajudou a manter viva a esperança de quem ainda quer ver os esportes eletrônicos entrarem de vez no circuito de medalhas.

Questionada pelo Canaltech sobre o futuro da parceria com o COI para competições de eSports durante o período olímpico, a Intel revelou estar disposta a continuar investindo em competições como o Intel World Open.

“Somos grandes apoiadores do eSports, portanto, se pudermos compartilhar essa experiência única com novos públicos que estarão nas Olimpíadas, será muito animador para nós”, declarou a empresa.

No entanto, o futuro da parceria ainda é incerto. “Embora esperemos dar sequência ao grande momento do Intel World Open deste ano para o futuro, como é um assunto que diz respeito aos Jogos Olímpicos, não podemos falar em nome do COI”, completou a Intel.

Street Fighter 5 é um dos jogos que participaram do Open World (Imagem: Divulgação/Capcom)
Street Fighter 5 é um dos jogos que participaram do Open World (Imagem: Divulgação/Capcom)

O Intel World Open ocorreu de 1° de junho a 21 de julho, a dois dias do começo das Olimpíadas de 2020. Apesar de não fazer parte oficialmente do circuito, a presença do COI na competição reacendeu a discussão sobre a inclusão dos esportes eletrônicos.

Mesmo que a parceria com a Intel continue, o COI não deve sacramentar a adesão dos eSports em Paris 2024. A tendência é que o comitê continue apostando em eventos satélites, como o Intel World Open, para avaliar os próximos passos.

Em abril deste ano, por exemplo, o COI criou o Olympic Virtual Series, que ocorreu entre maio e junho, com competições de simuladores de esportes tradicionais.

O presidente do COI, Thomas Bach, chegou declarar em 2017 que a inclusão dos eSports ocorreria “em breve”. Mas, na avaliação do comitê, ainda é prematuro discutir a adição dos jogos durante as Olimpíadas.

Thomas Bach, presidente do COI (Imagem: Reprodução/COI/Greg Martin)
Thomas Bach, presidente do COI (Imagem: Reprodução/COI/Greg Martin)

O programa olímpico para Paris, divulgado em dezembro de 2020, não faz menção aos jogos eletrônicos, o que deve confirmar o desfalque.

A expectativa é que o COI faça novos testes para competições de esportes eletrônicos nos Jogos de 2028, em Los Angeles.

Free Fire, Overwatch, LOL e CS de fora

Mesmo que a adição dos esportes eletrônicos acelere nos próximos anos, nem todos os jogos devem compor modalidades olímpicas.

Segundo o COI, alguns jogos que simulam violência e humanos sendo mortos, não são compatíveis com “valores olímpicos" e devem ficar de fora das discussões, inicialmente.

Regras do COI podem deixar LoL fora das Olimpíadas (Imagem: Divulgação/League of Legends)
Regras do COI podem deixar LoL fora das Olimpíadas (Imagem: Divulgação/League of Legends)

A incompatibilidade apontada pode afastar grandes títulos do cenário de competições, como League of Legends e Counter-Strike dos primeiros passos dos eSports rumo às Olimpíadas.

Regulamentação dos esportes eletrônicos

A indústria de games como um todo deve gerar US$ 180 bilhões, cerca de R$ 950 bilhões na cotação atual do dólar, somente em 2021. Os números superam em até sete vezes a receita gerada anualmente pelas indústrias do cinema e da música, de acordo com um estudo da empresa NewZoo.

Antes de chegar a um pódio olímpico, o mercado bilionário do esporte eletrônico ainda vai precisar vencer outros desafios.

No Brasil, as competições travam uma batalha pela regulamentação da atividade de seus jogadores. Com a discussão trava em Brasília há pelo menos 4 anos, o Canaltech revelou que 11 estados brasileiros iniciaram uma discussão para criar leis que regulamentem os esportes eletrônicos por aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos