Oficializado, Abel Ferreira destaca grandeza e organização do Palmeiras

LANCE!/NOSSO PALESTRA
·2 minuto de leitura


A caminho do Brasil, Abel Ferreira concedeu sua primeira entrevista desde que foi anunciado como treinador do Palmeiras. O português, que vai chegar em São Paulo já nesta segunda-feira, detalhou os motivos que o levaram a deixar o PAOK, da Grécia.

– A grandeza do clube, a forma organizada como está o clube, as condições que oferecem para os profissionais atingirem seus objetivos, e o desafio – contou, explicando seus planos ao chegar à Academia.

– A primeira coisa que eu vou fazer é ver o jogo, pois o mais importante agora é poder estar com os nossos jogadores. Temos que começar a trabalhar o mais rápido possível – completou.

Questionado a respeito das negociações, Abel agradeceu ao presidente Maurício Galiotte e voltou a valorizar a proposta e jogadores do Palmeiras.

– Tenho que agradecer ao Presidente por toda a estrutura, pois, em uma fase inicial, não estava fácil para eu sair, mas todos chegaram a um acordo no final. Acima de tudo, precisamos voltar a ganhar. Sabemos a grandeza e objetivos do clube. Além disso, seguramente, uma das razões que levou o Palmeiras a me contratar, que é a aposta nos jovens. Portanto, estão reunidas todas as condições para todos juntos termos condições nesse clube – reiterou.

Depois de mais de duas semanas sem treinador, o Palmeiras assinou um vínculo de dois anos com Abel Ferreira, válido até o fim de 2022.

Abaixo, confira outras respostas do português:

Oportunidade:

– Minha carreira tem crescido rapidamente, com muito trabalho da comissão técnica e, logicamente, não há bons treinadores sem bons jogadores. Você chega aonde seus jogadores querem e, portanto, estou aqui hoje pelo o que foi feito lá atrás.

Herança de Jorge Jesus:

– Para ser sincero, todos nós conhecemos o Jorge Jesus como uma potência dentre os treinadores portugueses. Nós temos essa capacidade de compartilhar nosso conhecimento e cada um gerar o seu próprio. Depois, dentro do campo, cada um segue as suas ideias, seus princípios. É isso que vou tentar fazer. Não me esqueço o que me trouxe até aqui, pois isso que vai me levar daqui para frente.

Conversou com treinadores portugueses antes de aceitar a proposta:

– Por incrível que pareça, falei mais com brasileiros do que portugueses. O treinador que promoveu a minha estreia na Primeira Liga foi o Paulo Autuori. O técnico que estava à frente da Seleção Portuguesa e me ajudou, que foi o Scolari. Tive, ainda, dois treinadores que estiveram comigo no Braga, Guto Ferreira e Thiago Larghi. Tenho relacionamento com treinadores brasileiros e, por conta disso, conversei mais com eles.