Odair Hellmann chega ao Brasil e fala em "honra" sobre comandar o Santos

Odair Helmann chegou ao Santos com Covid, mas já foi liberado para trabalhar (Foto: Divulgação)


Odair Hellmann desembarcou no final da tarde desta terça-feira (6) no Aeroporto Internacional de Guarulhos para comandar o Santos. O treinador estava no Catar acompanhando partidas da Seleção Brasileira. A expectativa é que o técnico esteja no CT Rei Pelé nesta quarta.

O novo comandante foi anunciado há 20 dias pela equipe de Vila Belmiro. Neste tempo, Odair fez diversas reuniões com Paulo Roberto Falcão, coordenador de futebol, e o presidente Andrés Rueda. O objetivo agora é acelerar o planejamento e alinhar a busca por reforços.

"É uma honra, estou muito feliz, torcedor do Santos pode ter certeza que vamos trabalhar muito sério, muito duro, para representar ele dentro e fora de campo. Quero agradecer a oportunidade de ser o treinador do Santos, agradecer ao presidente, ao Falcão. Minha retribuição é o trabalho. Vir aqui, dar discurso é mais fácil. Eu prefiro ir para lá agora, me reunir, continuar falando de Santos para fazer o melhor trabalho possível", disse o treinador para os jornalistas ainda no aeroporto.

O último clube de Hellmann foi o Al-Wasl FC, de Dubai. O técnico de 45 anos assinou com o time da Vila Belmiro contrato válido até o final de 2023, e chega com o aval de Paulo Roberto Falcão, anunciado recentemente como coordenador de esporte do Santos.

Junto com Odair, chegam ao Peixe Maurício Dulac, auxiliar técnico, Rogério Dias, o Rogerinho, para trabalhar como preparador físico e, por fim, Fábio Moreno, que atua como analista de desempenho. O trio também teve passagem recente pelo mundo Árabe.

"Nós precisamos criar um time muito forte, uma equipe comprometida com o Santos. Uma coisa que vocês vão me ouvir falando muito: comprometimento com o Santos Futebol Clube. Eu estou comprometido, eu quis vir. Eu recebi um convite e quis vir. Queremos que as pessoas que estejam lá queiram estar no Santos e trabalhem duro para não repetir os últimos dois anos que foram feitos", completou o Odair.